O ano de 2017 foi o período em que a crise econômica começou a entrar em um processo de recuperação, atraindo novos investidores e reduzindo a inflação e os juros em todo o território nacional. Já em 2018, segundo o boletim Focus, o Produto Interno Bruto (PIB) deverá apresentar um crescimento de 2,7%, enquanto a inflação deverá ficar em 3,96%, fazendo com que a situação seja mais proveitosa para diversos setores da economia.

Diante dessa perspectiva, alguns nichos – que já vinham apresentando excelentes resultados – tendem a se superar ainda mais, confira quais são eles:

Varejo Eletrônico

e-commerce nacional é um dos segmentos mais requisitados e utilizados pela população. Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o setor deverá faturar R$ 69 bilhões em 2018, apresentando alta de 15% em relação ao ano anterior, que faturou R$ 59,9 bilhões.

Para o presidente da ABComm, Mauricio Salvador, a receita em 2017 e a projeção para 2018 representam uma recuperação. “O principal impulsionador das compras on-line ainda é a comodidade. Com a retomada econômica, haverá mais investimentos e a chegada de players pesados, como Amazon e Alibaba, fazendo o setor ganhar ainda mais fôlego em 2018”, comenta o executivo.

Outsourcing de impressão

Mesmo em tempos de transformação digital das operações de trabalho, ainda é comum o empresário acumular pilhas de papéis no seu escritório. Além disso, os custos com aparelhos e suprimentos de impressão são elevados. Para lidar com essa demanda, o setor de outsourcing de impressão e digitalização de documentos apresentou crescimento expressivo no último ano e a tendência é de nova expansão em 2018.

“Toda crise vem e passa, essa última durou um pouco mais. Porém a Reis Office nesse período acabou crescendo porque nós continuamos investindo. Continuamos treinando nosso pessoal e com isso saltamos de 200 funcionários para 300”, afirma José Martinho Reis, fundador e presidente da Reis Office, companhia que se especializou na oferta de soluções completas para impressão, digitalização, transmissão e armazenamento de arquivos. Operando no formato outsourcing, a empresa aluga equipamentos de última geração para tiragens de impressão e os mantêm conectados em rede para ganhar velocidade nesse fluxo de transmissão de dados.

Meio de pagamentos

Nessa seara, é possível ver um reflexo direto sobre a situação econômica do país com o aumento de transações realizadas nas maquininhas de cartão. Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito (Abecs), em 2017 o setor apresentou crescimento de 7,5%, sendo o terceiro ano seguido com uma expansão inferior a 10%. Porém, a previsão é positiva. Para 2018, a Associação acredita que, apoiada pela retomada financeira, a receita voltará a ultrapassar os dois dígitos.

Varejo físico

Depois de três anos em queda (2014, 2015 e 2016), o comércio brasileiro apresentou, em 2017, alta de 6%, segundo a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop). O resultado ainda ficou acima dos 4% previstos inicialmente. Para 2018, o setor deverá apresentar um faturamento maior do que no ano anterior.

Para Felipe Rossetti, sócio-fundador da Piticas, rede de franquias que aposta na confecção de camisetas de ícones da cultura pop e geek, o segmento deverá apresentar uma melhora substancial no decorrer deste ano. “O varejo físico vem de um histórico ruim, com queda de rendimento e faturamento. Em 2017, o cenário se inverteu e houve o primeiro indicador positivo em quatro anos. Para 2018, a expectativa é que a população volte, mesmo que aos poucos, a comprar. Esse movimento se dá, em sua maioria, devido ao retorno da confiança do consumidor.”

Segurança

Esse é um mercado que vem passando por grandes avanços em decorrência de uma revolução tecnológica. “Em 2017 conseguimos fechar parcerias com a prefeitura de São Paulo, com o City Câmeras. Além disso, delineamos crescimento dos projetos em modelo de assinatura, como o Vigilância Solidária, quando diversas pessoas de um mesmo bairro podem se mobilizar para garantir a segurança de toda uma região. Com o uso dessas tecnologias, a área deverá alcançar excelentes resultados, consolidando sua força”, comenta Ricardo Luiz da Tecvoz, empresa especializada no mercado de Circuito Fechado de TV (CFTV).

Segurança digital corporativa

Segundo estimativa da Gartner, o investimento em segurança digital pode chegar a US$ 93 bilhões em 2018, um incremento de 12% em relação ao ano anterior. O setor promete entregar soluções mais completas e precisas.

“O setor voltou aos holofotes devido às recentes ameaças digitais que colocaram em xeque a situação de grandes corporações mundiais. Com a retomada econômica, as empresas tendem a colocar a segurança digital em pauta para se antecipar aos riscos, sendo mais proativas e menos reativas a novos incidentes”, comenta Bruno Prado, CEO da UPX Technologies, empresa de tecnologia especializada em soluções de segurança digital.