Agosto de 2018 – O aumento dos índices de roubo de celulares e o alto custo dos aparelhos estão levando um número maior de pessoas a contratar um seguro para smartphones.

De acordo com números divulgados pela FenSeg (Federação de Seguros Gerais), atualmente existem 2,5 milhões de aparelhos segurados e a expectativa é de que, até o final do ano, esse número suba para 4,5 milhões.

Segundo o vice-presidente comercial da Touareg Seguros, Luiz Villar, o preço é, em média, cerca de 25% do valor do celular. Essa taxa também é aplicada nas apólices de outros aparelhos eletrônicos como câmeras fotográficas, iPads e notebooks.

O executivo recomenda uma leitura minuciosa do contrato antes de assiná-lo. “É preciso verificar se as coberturas contratadas atendem ao perfil do usuário.

Além disso, é necessário ficar atento às cláusulas que definem as obrigações do segurado e os limites de cobertura, que podem variar de acordo com a idade do aparelho e o tempo que a pessoa possui aquele celular”, afirma.

Villar alerta para uma das cláusulas que poucos se atentam: o furto simples, quando não há uso da violência ou quando a pessoa nem percebe a subtração do celular, não conta com cobertura das seguradoras. Por isso, nada de ficar andando por aí, falando ao celular, sem prestar atenção ao que acontece ao redor.

O seguro cobre casos de roubo e furto qualificado. “O primeiro se caracteriza pela ameaça física ou verbal, isto é, a pessoa é vítima de um assalto com arma, por exemplo. Já o furto qualificado é aquele que não há intimidação e a pessoa só percebe que seu aparelho foi levado através de um rasgo na bolsa”, explica.

O segurado deve fazer o seu boletim de ocorrência o mais rápido possível. Na capital paulista, quando não há ameaça física, o registro para roubos de celulares pode ser feito pela internet:
http://www.delegaciaeletronica.policiacivil.sp.gov.br/ssp-de-cidadao/home).

Nesse caso, porém, será necessário informar o número do IMEI (sigla em inglês para identificação internacional de equipamentos móveis). Feito isso, o segurado deve encaminhar o BO e a documentação necessária para que a companhia faça a análise e, posteriormente, o pagamento da indenização.

As apólices não cobrem mau uso ou desgaste do aparelho eletrônicos. Normalmente, são oferecidas coberturas para causa externa acidental, tais como queda e quebra. É a cláusula para danos acidentais. Neste caso, o reparo será a primeira alternativa.

“Se o equipamento não puder ser consertado, a seguradora efetuará a troca por outro aparelho igual ou similar”, explica Villar.

Objetos de alto valor

As seguradoras também oferecem seguros para objetos pessoais de alto valor como joias, relógios e obras de arte. Isso pode ser feito dentro da apólice do seguro residência. Os valores são restituídos apenas em caso de roubo dentro da casa.

O mesmo procedimento é adotado para as bicicletas esportivas. Afinal, quem comprou uma bike toda equipada e com acessórios, não deve deixá-la sem seguro. Neste caso, há indenização para casos de roubo fora residência.

Sobre a Touareg Seguros

Criada em 2011, a Touareg Seguros é a primeira franqueadora de corretora de seguros sediada no Nordeste. Com sede em Salvador (BA) a empresa começou sua operação no franchising em 2016 e iniciou a venda das franquias em 2017. Hoje, já são 17 unidades, presentes nos estados de São Paulo, Bahia, Sergipe e no Distrito Federal. A projeção para 2018 é chegar a 100 unidades. A Touareg atua em todos os ramos de seguros e consórcios.