Eu havia lido a obra de Mitch Albom há uns dez anos, quando era estudante de medicina e repeti a leitura recentemente quando na Estratégia de saúde da família, meu trabalho, tive que acompanhar em domicílio uma paciente com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA).

Em “A Última Grande Lição” o autor relata suas conversas periódicas com um sábio professor de sociologia, seu amigo, o qual é portador de ELA, uma doença que diminui progressivamente as funções motoras do indivíduo levando à incapacidade física e morte. Nesses encontros o professor fala de como alguém com uma doença de prognóstico assim tão fechado encara a vida. Eles discutem temas como família, trabalho e morte de forma reflexiva.

Tanto nessa leitura como na convivência com Rose, minha paciente, percebi que a iminência da morte torna as pessoas mais atentas ao que vale realmente a pena, influenciando todos ao seu redor a ter mais amor e tranqüilidade no convívio e no modo de olhar o precioso viver.

Recomendo muito este livro. Leitura rápida, simples e comovente.

por Janaína Soares Vieira Borghetti