Drible e falta: recurso, necessidade e polêmica

Para muitos o drible é visto como recurso de jogo, quando não se tem outra coisa a fazer em campo. Para Messi, Neymar, Lucas e Roben, entre outros, é o principal trunfo para superar os adversários. (por Gabriel Saraceni)
Lucas é o jogador que mais dribles deu no Paulistão. Domingo foram vários diante do Ituano (Foto: Ari Ferreira)
Lucas é o jogador que mais dribles deu no Paulistão. Domingo foram vários diante do Ituano (Foto: Ari Ferreira)
Lucas é o jogador que mais dribles deu no Paulistão. Domingo foram vários diante do Ituano (Foto: Ari Ferreira)
Lucas é o jogador que mais dribles deu no Paulistão. Domingo foram vários diante do Ituano (Foto: Ari Ferreira)

Para muitos o drible é visto como recurso de jogo, quando não se tem outra coisa a fazer em campo. Para Messi, Neymar, Lucas e Roben, entre outros, é o principal trunfo para superar os adversários.

Tecnicamente também podemos chamar de finta, que muitos confundem, mas é diferente do drible. É o ato de ludibriar o adversário em curto espaço, sem a posse de bola, com objetivo de confundir e abrir espaços.

O que fez Lucas, por exemplo, diante do Ituano. Parou, olhou para o marcador, balançou o corpo, e só depois deu o drible, ao executar elástico. É o que mostrou Neymar diante do Guarantinguetá. Muitas vezes gingou o corpo e, sem tocar na bola, foi derrubado. Movimentos técnicos, que confundem a marcação.

Entra em questionamento outro ponto. Deve ou não haver falta? Não, reponderia o protetor do jogo-limpo. Sim, defenderia o defensor da violência. Não é bem assim. Não se trata de agressividade, mas de necessidade. A falta também é um recurso técnico, desde que para segurar uma jogada, sem ter maldade. Se feita para machucar, a história muda e passa a não fazer parte do jogo.

Saber cometer falta faz parte do futebol. É preciso ter a leitura de onde pode ser feita, se o adversário tem um cobrador perigoso, quem já tem cartão amarelo e como chegar até o corpo do jogador que não se cansa de driblar. Muitas vezes fica no vácuo e passa vergonha.

As gingas e os dribles vão continuar, mas as faltas também. É só mais um tempero do futebol, que seguirá causando discórdia e discussão. Inclusive a minha opinião. Comentem…

[author] [author_image timthumb=’on’]http://www.guairanews.com/wp-content/uploads/2012/03/Saraceni.jpg[/author_image] [author_info]GABRIEL SARACENI – Bacharel em Esporte pela USP desde 2005, tem 29 anos e se formou também em Jornalismo em julho de 2010, pela UNIP. Neste espaço, vai abordar temas relacionados à ciência das modalidades, como tipos de treinamento, preparação física, nutrição, fisiologia e suas ramificações. Um pouco de teoria sobre o esporte não faz mal a ninguém. Twitter: @gabrielsaraceni[/author_info] [/author]

fonte: Raio X do Esporte

Publicidade:
Anterior Paixão de Cristo será encenada na sexta-feira santa em Guaíra
Próxima Alternativa para transportar as compras - relato de um consumidor espirituoso