Higienização das mãos promove saúde e segurança

No Hospital Uopeccan, a higienização é um suporte para o combate às infecções hospitalares

Lava uma, lava outra… O processo da higienização das mãos é simples. Em pouco tempo, as mãos estão limpas e quase livres de bactérias. Pode até não parecer, mas é a partir daí que a imunidade aumenta, as doenças encontram mais barreiras para entrar no corpo e a saúde, no geral, agradece. Mesmo assim, com tanta facilidade, segundo pesquisa realizada pela Michigan State University, nos Estados Unidos, nem mesmo 5% da população mundial higienizam as mãos corretamente. O estudo foi feito em 2013 e observou cerca de 4 mil pessoas ao usarem o banheiro. Em média, as pessoas lavam as mãos por apenas 6 segundos, quando o tempo necessário para eliminar bactérias é de 40 a 60 segundos.

Se na vida cotidiana o tempo indicado é este, nos estabelecimentos de saúde e hospitais, o fator determinante não é só o tempo, mas também a qualidade da higienização. Para isso, existem três modos de higienização das mãos no ambiente hospitalar: simples; fricção antisséptica e antisséptica cirúrgica. “Quando as mãos estiverem visivelmente sujas ou contaminadas, indicamos a higienização com água e sabonete. Quando as mãos não estão visivelmente sujas, aí sim entra o álcool gel e nos casos pré cirúrgicos, o indicado é o uso de outros produtos que combate as bactérias multirresistentes”, explica a enfermeira Marisa Cristina Preifz, uma das responsáveis pelo Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Uopeccan em Cascavel.

Nesse sentido, para as higienizações cotidianas dentro do Hospital, a OMS, Organização Mundial da Saúde, estabelece metas. Uma delas diz respeito à utilização de álcool gel: para cada paciente, o indicado é usar pelo menos 20 mL por dia. Na Uopeccan Cascavel, no entanto, nos primeiros 4 meses de 2017, a média foi além da meta. “Entre janeiro e abril deste ano, o Hospital alcançou a média de 41,65 mL por dia para cada paciente”, quantifica Marisa.

Com este processo, o risco de infecções hospitalares diminui cerca de 70% e no Hospital Uopeccan, os resultados têm sido cada vez mais positivos. “Nos primeiros meses deste ano (janeiro a março) tivemos uma taxa de sucesso de 97,77% quando se trata de infecções relacionadas a assistência a saúde (IRAS). Se não fosse a correta higienização, esse número poderia ser muito maior, provocando danos aos pacientes e ainda mais desgaste para quem os acompanha”, explica a enfermeira.

Dessa forma, o Serviço de Controle de Infecção Hospitalar implanta a ideia da real importância da correta higienização das mãos – e isso não só para médicos, enfermeiros e farmacêuticos, mas também para visitas e acompanhantes que entram em contato com o Hospital. Afinal, antes de chegarem ao Hospital, as mãos já percorreram maçanetas, celulares, portas, objetos e muita sujeira. “Em toda a estrutura, temos vários adesivos informando sobre a correta higienização das mãos tanto com água e sabonete como com álcool gel e também para os casos mais específicos. Além disso, também temos como base os cinco momentos em que é necessário higienizar as mãos, sendo eles: antes de tocar o paciente; antes de realizar procedimento limpo/asséptico; após o risco de exposição a fluidos corporais; após tocar o paciente e depois de tocar superfícies próximas ao paciente”, enumera a enfermeira.

Com tantos momentos, dados e processos, a memorização entra como uma aliada. “A Organização Mundial da Saúde instituiu o dia 5 de maio como o Dia Internacional da Higienização das Mãos. No Hospital, é um dia em que lembramos todos os colaboradores sobre a importância desse ato. Fora do Hospital, é uma data em que podemos reforçar que a higienização vai além da nossa estrutura: com as mãos limpas, a saúde está mais segura”, aconselha Marisa.

COMO HIGIENIZAR AS MÃOS

Considerando os vários tipos de higienização e o tempo indicado para que esse processo seja completo, é preciso destacar algumas orientações. A OMS recomenda que a higienização com fricção antisséptica das mãos deve ser realizada da seguinte maneira: colocar uma quantidade de álcool gel na palma das mãos (suficiente para atingir todas as superfícies), esfregar bem o dorso, a palma, os dedos, o vão dos dedos e os polegares. Também é preciso se atentar às pontas dos dedos e as unhas.

Quando a higienização é feita com água e sabonete, a orientação é molhar as mãos e os pulsos com água. Depois, passar sabonete até cobrir toda a superfície e esfregar cada palma sobre o dorso da outra mão, entre os dedos e, por fim, as palmas. Então, deixar as mãos ensaboadas durante 15 segundos e as enxaguar com bastante água corrente. Se atentando a esses detalhes, as mãos deixarão de ser uma porta de entrada de doenças para assumirem o papel de verdadeiras barreiras de vírus e bactérias.

Publicidade:
Anterior Entulhos nas ruas e calçadas serão multados a partir da semana que vem
Próxima Guaíra fica em segundo no Torneio de Judô Uemura & Yamashita