Em meio à pandemia de coronavírus, apoio psicológico ganha importância especial nas UTIs

Por segurança, entrada de visitantes está proibida em muitos hospitais; para reduzir a distância e a ansiedade comum ao internamento, equipes de saúde promovem visitas virtuais por vídeo-chamada
Por vídeo-chamada, Aline conseguiu conversar com a família e ainda apresentar a filha recém-nascida que estava na maternidade Hospital Santa Cruz
Por vídeo-chamada, Aline conseguiu conversar com a família e ainda apresentar a filha recém-nascida que estava na maternidade
Hospital Santa Cruz

 

Com a pandemia de coronavírus, o acesso de visitantes às Unidades de Terapia Intensiva está cada dia mais restrito. Na UTI Geral do Hospital Santa Cruz, por exemplo, a entrada de familiares e amigos foi interrompida no início de abril. A mudança foi necessária para reforçar a segurança assistencial e reduzir as chances de contágio pela Covid-19. Diante deste cenário, a atuação da psicologia ganhou importância ainda maior no apoio tanto ao paciente, quanto à família, para ajudar a reduzir a ansiedade criada pelo distanciamento.

“Antes, tínhamos três horários de visita, sendo permitida a entrada de duas pessoas por período, além da possibilidade de visita estendida em alguns casos. Era o momento que tínhamos para conhecer a família, entender como eles estavam vivenciando o momento e passar a informação médica na beira do leito. A interrupção completa das visitas nos fez adequar esses processos para reforçar também a assistência psicológica. Hoje, estamos realizando visitas virtuais por meio de vídeo-chamada”, explica a psicóloga da UTI Geral do Hospital Santa Cruz, Jenima Vilches.

Até o início da visita por vídeo, no entanto, há um protocolo minucioso. Primeiro, o paciente precisa estar disposto e tranquilo para o contato com a família. Depois, a psicóloga orienta os familiares sobre como se comportar durante a vídeo-chamada para não gerar ainda mais preocupação ou desconforto. “Muitas vezes, o paciente não quer falar ou prefere fazer contato apenas por voz. Temos que avaliar tudo isso para que o momento não cause mais uma ansiedade para o paciente ou para os visitantes”, destaca Jenima.

A iniciativa tem se mostrado bastante eficiente. A paciente Aline Guedes dos Santos precisou de cuidados intensivos após o nascimento de sua filha. Dentro da UTI Geral, ela ficou sem contato com a bebê, que permaneceu na maternidade, e com o marido, que foi orientado a aguardar a alta em casa. “Reunimos na mesma vídeo-chamada a mãe e o esposo da Aline, mas incluímos também a equipe do berçário para que todos pudessem ver a bebê. Foi uma experiência muito gratificante”, completa a psicóloga.

As visitas virtuais também estão ajudando os pacientes hospitalizados que enfrentam a Covid-19. Nesse caso, o contato físico com familiares e amigos é suspenso por completo para garantir o isolamento durante o período de transmissão do vírus e evitar o contágio de outras pessoas. “Para amenizar essa distância e acolher as ansiedades, implementamos as vídeo-chamadas na UTI Respiratória e na unidade de internação onde ficam os pacientes suspeitos ou confirmados com coronavírus”, indica Jenima.

Informação médica

Além das visitas virtuais, a tecnologia tem sido uma grande aliada no fortalecimento da confiança entre o hospital e os familiares. Pelo menos uma vez ao dia, o médico conversa por telefone com o acompanhante responsável pelo paciente para informar sobre o estado geral de saúde, as mudanças no tratamento e a evolução do quadro clínico. “Como psicóloga, acompanho tudo para fazer o trabalho de vínculo, explicar como é o ambiente da UTI e como atua a equipe multidisciplinar”, indica Jenima.

Quando as informações são mais difíceis ou demandam decisões mais complexas, médico e psicóloga fazem contato com a família por vídeo-conferência. “Quando uma pessoa fica doente, a família entrega ela para uma equipe médica desconhecida, formada por diferentes profissionais com atuações distintas. Por isso, é importante que a comunicação seja efetiva não só para aquele que recebe os cuidados, como também para aqueles que estão ao lado do aguardando a recuperação”, pontua a psicóloga.

Sobre o Hospital Santa Cruz

Fundado em 1966, o Hospital Santa Cruz está localizado no bairro Batel, em Curitiba (PR). É considerado um centro de alta complexidade no atendimento das áreas de Oncologia, Cardiologia, Cirurgia Geral, Neurologia, Ortopedia, Pronto Atendimento, Checkup e Maternidade. Oferece estrutura adequada, equipe multidisciplinar, equipamentos de última geração e um moderno centro cirúrgico – tudo isso para atender de forma humanizada, com qualidade assistencial e foco na segurança do paciente. É reconhecido com o selo de Acreditação com Excelência Nível III, entregue pela ONA, sendo a instituição acreditada nesta categoria por mais tempo no Paraná.

Publicidade:
Anterior Docentes do curso de Enfermagem da Anhanguera lançam livro sobre o novo coronavírus
Próxima Liderança em foco: Preparando a reintrodução ao ambiente de trabalho na era do COVID-19