VACINA COVID GUAÍRA: MAIS DE 1.000 PESSOAS FALTARAM NA 2ª DOSE

Somente com as duas doses em todo público é que será possível minimizar mortes pela Covid

Em Guaíra está ocorrendo um problema grave com a baixa procura pela 2ª dose da vacina contra o novo Coronavírus. Mais de 1.000 pacientes de mais de 18 anos não procuraram os postos para completar o sistema de imunização.

Este comportamento tem preocupado os agentes da Secretaria Municipal de Saúde, porque a variante Delta já começou a circular na região e trata-se de uma cepa do vírus mais transmissível e de acordo com dados coletados em Israel, um dos países que mais rápido vacinou sua população, a densa maioria de casos desta variante registrados nas últimas semanas, acometeram pessoas que não tomaram as segundas doses dos imunizantes.

Informações do Ministério da Saúde dão conta que é essencial tomar a dose de reforço contra Covid-19, porque a eficácia do imunizante foi comprovada a partir de análises realizadas com as duas aplicações.

AGRAVANDO EPIDEMIA

Se o paciente não completa o esquema vacinal fica mais vulnerável à infecção pelo Sars-Cov-2, assim, além de se expor ao risco de ser contaminado e adoecer, esse indivíduo prejudica outras pessoas no que tange a transmissão, quebrando a estratégia de vacinação coletiva.

Para continuar propagando o novo Coronavírus precisa infectar pessoas, e quanto mais pessoas imunizadas menor a probabilidade do vírus se multiplicar, o que em médio prazo levaria ao controle ou erradicação da doença, como já ocorreu com outras patologias infecciosas como a pólio e o sarampo.

E tem mais, com vacinação incompleta e o vírus ainda encontrando corpos humanos com condições ideais para sua replicação em massa cria-se um ambiente propício para o surgimento de cepas ainda mais resistentes do Coronavírus, as variantes.

Nos trilhões de replicações que o corona executa dentro um corpo não imunizado, o vírus sofre alterações na sua cadeia de DNA, mudanças estas que se forem desfavoráveis para o patógeno, os mutantes não prosperam, no entanto aquelas mutações que produzem exemplares mais virulentos, ou mais resistentes têm muito mais probabilidade de sobreviver e, produzir descendentes que herdarão estas características e as replicarão em massa.

Este é o mecanismo de criação de variantes. E como numa loteria, quanto mais cartelas se aposta, maiores as chances de acertar. Em apenas um humano infectado o vírus joga com trilhões de cartelas.

Por isso que a Secretaria de Saúde conclama que todas as pessoas que ainda não tomaram a segunda dose dos imunizantes, conforme cronograma já executado, que procure a Unidade de Saúde onde recebeu a primeira dose, para ser devidamente imunizado.

Anterior Os 7 melhores cassinos da América do Sul
Próxima Pastilha de fabricação nacional torna potável água proveniente de qualquer fonte