Pular para o conteúdo

Senac Barretos

Como identificar traços de ansiedade

A ansiedade é considerada o mal do século e atinge milhares de pessoas.
É preciso procurar ajuda e descobrir como amenizar os sintomas

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2019 o Brasil tinha o maior número de pessoas ansiosas do mundo. Cerca de 10% da população brasileira sofre com a ansiedade e agora em 2022 a OMS publicou uma pesquisa que mostra que tivemos 25% de aumento dos casos no pós-pandemia.

As emoções instintivas do ser humano, como a ansiedade, podem sofrer alterações a partir de diversos fatores e seus níveis elevados podem gerar crises. As causas da ansiedade ainda são desconhecidas, porém especialistas apontam que alguns fatores podem desencadear o transtorno, como aspectos genéticos, aspectos psicossociais diversos e quadros traumáticos.

A ansiedade faz parte de nossas emoções, é fisiológica e benéfica ao organismo. Ela estimula as nossas ações e é uma das responsáveis por buscarmos novos desafios, mas o seu excesso pode ter efeito contrário, paralisando a pessoa. Preocupações com trabalho, os filhos, a carreira e as questões financeiras fazem parte da vida das pessoas e quando são excessivas podem se transformar em ansiedade patológica e trazer prejuízos funcional e emocional. Deve-se ficar alerta aos sintomas como sudorese extrema, boca seca, hipervigilância, pensamentos repetitivos, insônia e até pesadelos excessivos que podem ser notados pelo indivíduo.

A psicóloga do Sesc-Senac Goiás, Sthefânia Ferreira, explica que o nível e a frequência com que a ansiedade acontece e se ela é prejudicial ou não em nosso dia a dia é que irá caracterizá-la como patologia. “As vezes ficar com o coração disparado, ficar pensando naquele evento um dia antes são reações comuns que passam. A partir do momento que os sintomas se tornam recorrentes, frequentes e não passam é um alerta da patologia e nesse momento é preciso buscar ajuda”.

Tipos de ansiedade

Alguns tipos de transtornos de ansiedade como o Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), Síndrome do Pânico, fobias e outros são quadros de transtornos de ansiedade, doenças muitas vezes incompreendidas socialmente. É necessário interpretar quando a emoção deixa de ser normal. Quando passa a trazer prejuízos para o indivíduo é preciso buscar ajuda.

Sthefânia pontua que “a ansiedade enquanto transtorno se não tratada ou negligenciada pode causar sérios prejuízos para o indivíduo. Não deixe para depois, cuide de sua saúde física e mental”.

Como é o tratamento? 

O tratamento, seja com uso de medicamentos ou outros tipos, é cercado de estigmas. Sthefânia reforça que “o tratamento para a ansiedade quando se torna prejudicial e patológica acontece através de um diagnóstico feito por um médico psiquiatra ou profissional da área da saúde como psicólogo, pois é ele quem irá orientar como proceder diante dessas crises.”

“A ansiedade não pode ser prevenida, pois é uma reação natural do corpo. O que podemos aprender são maneiras para controlar a ansiedade e lidar com ela no cotidiano, realizar a respiração diafragmática pode auxiliar”, indica Sthefânia. Em caso de tratamento via medicamento é preciso acompanhamento profissional.

Veja algumas dicas para controlar a ansiedade:

  • realize técnicas de relaxamento
  • controle a respiração
  • mude de pensamento
  • faça atividades físicas
  • pratique meditação
  • procure entender seus pensamentos e sentimentos

Confira o vídeo da entrevista completa clicando AQUI.