Funcionários da Usina Guarani entram em greve

A paralisação foi deflagrada na manhã de hoje. O turno da manhã da planta industrial da Usina Guarani foi o primeiro a parar, com cerca de 70 pessoas. Saiba tudo!
Greve na Usina Guarani em Guaíra

Greve na Usina Guarani em GuaíraA paralisação foi deflagrada na manhã de hoje. O turno da manhã da planta industrial da Usina Guarani foi o primeiro a parar, com cerca de 70 pessoas. Mais uma leva de trabalhadores, que trabalharam durante a noite, também queriam parar, no entanto não podiam para não parar as máquinas da empresa.

O Sindicato dos Trabalhadores nas Industrias a Fabricação do Álcool de Guaíra informou que seu departamento jurídico estava acionando a Delegacia do Trabalho de Barretos para evitar que os trabalhadores que estavam na empresa ultrapassassem as 10 horas trabalhadas — limite estabelecido por lei. Para o presidente do sindicato, Célio Pimenta a carga excessiva significa o risco de acidentes.

Os trabalhadores da Guarani pararam porque a data base — época de reajuste — da categoria foi em maio porém a empresa, sindicato e trabalhadores não entraram em acordo com o percentual de reajuste. Os funcionários pedem 15% e a empresa oferece 5%. De acordo com o sindicato em outras empresas foi fechado o reajuste de 7%.

A estimativa é que no final do dia cerca de 450 funcionários estejam engajados na greve, cuja pauta de reivindicações ainda tem como itens o aumento no valor do tíquete alimentação de R$ 160 para R$ 260 e o enquadramento dos cargos e salários na carteira de trabalho, ou seja registrar e remunerar os operários de acordo com a função. No começo da manhã o sindicato tentava estabelecer contato com a diretoria da empresa para negociar uma proposta melhor para o final da greve.

VEJA A ENTREVISTA EXCLUSIVA DO PRESIDENTE DO SINDICATO »

Fotos:

Publicidade:
Anterior Governo lança campanha de prevenção ao bullying nas escolas estaduais
Próxima [Vídeo] GREVE NA USINA GUARANI - Entrevista com o Presidente do Sindicato: Célio Pimenta