INTERIOR DE SÃO PAULO OFERECE TRATAMENTO MAIS SEGURO PARA DOENÇA DA PRÓSTATA

Hospital Amaral Carvalho, em Jaú, realiza cirurgia com laser verde para Hiperplasia Benigna da Próstata (HBP)

A HBP – Hiperblasia Benigna da Próstata é uma condição que atinge cerca de 14 milhões de brasileiros entre 50 e 80 anos – de acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia e causa um crescimento anormal da glândula, que obstrui a uretra, podendo causar problemas no sistema urinário. Os principais sintomas são vontade frequente de urinar – principalmente durante a noite, dificuldade para iniciar a micção e jato de urina fraco.

Agora, na cidade de Jaú, no interior paulista está disponível uma técnica mais segura e menos dolorosa para tratar pacientes com aumento da próstata: a vaporização do órgão com laser verde. O procedimento é feito com anestesia, dura cerca de 40 minutos e exige em média 24 horas de observação.

Tratamento mais efetivo e seguro

De acordo com o urologista do Hospital Amaral Carvalho, Dr. Renato Prado Costa, “o laser verde representa um grande avanço no tratamento da doença, pois possibilita a realização da cirurgia em pacientes de risco, pela idade ou ainda pacientes cardíacos ou que fazem uso de medicamentos anticoagulantes com baixíssimo risco”. Neste procedimento, o risco de sangramento e absorção de líquidos é muito menor e o paciente permanece menos tempo internado.

A tecnologia com laser verde consegue tratar uma próstata seis vezes maior que o normal, é mais rápida e evita sangramentos. Além disso, o tratamento de vaporização da próstata por meio do laser reduz o tempo de internação e recuperação.

O Hospital Amaral Carvalho conta com equipamento e equipe especializada para a aplicação da terapia com laser verde. “Esta tecnologia é o que há de mais moderno no tratamento cirúrgico da Hiperplasia Prostática Benigna atualmente e agora está disponível aos pacientes de Jaú e região”, finaliza o urologista.

Publicidade:
Anterior MAL DE ALZHEIMER PODE SER TRATADO COM MEDICINA NUCLEAR
Próxima LEGALIZAÇÃO DOS CASSINOS: SERÁ AGORA?