A existência de lixões e a queima irregular de resíduos no país são responsáveis pela emissão de aproximadamente 6 milhões de toneladas de gás de efeito estufa (CO2eq) ao ano, o equivalente ao gerado por três milhões carros movidos à gasolina circulando anualmente – revela pesquisa do Departamento de Economia do Sindicato Nacional das Empresas de Limpeza Urbana (SELURB), realizada em razão do Dia Mundial do Meio Ambiente (05/06), cuja temática definida pelas Organizações das Nações Unidas (ONU) para 2019 foi “Poluição do Ar”.

Em 10 anos, os prejuízos causados à atmosfera pela falta de tratamento adequado do lixo no Brasil são os mesmos que toda a atividade vulcânica no mundo em um ano.

“É estarrecedor ver como a ausência do poder público é capaz de criar problemas ambientais desta proporção. O Brasil sempre se considerou privilegiado por não ter que lidar com desastres naturais, como os provocados por vulcões, por exemplo.

Mas convivemos com cerca de 3 mil lixões e com deficiências na coleta de resíduos domiciliares que levam à população que vive longe dos grandes centros a queimar seu lixo. Ou seja, acabamos criando uma espécie de ´vulcão´ para nossa atmosfera, e isso é prejudicial ao meio ambiente e à saúde da população, pois as partículas e substâncias provenientes da queima do lixo são extremamente cancerígenas aos seres humanos”, afirma Carlos Rossin, diretor de Sustentabilidade e Relações Institucionais do SELURB.

De acordo com o estudo, a emissão dos gases decorrentes da queima de lixo nos depósitos irregulares é equivalente ao movimento anual de uma frota superior a 130 mil carros. Já a produção de gás metano (CH4) oriundo da decomposição dos resíduos dispostos em lixões, equivale quase ao impacto da atividade do vulcão Etna, na Itália, para o aquecimento global.

Se esta quantidade fosse revertida em biogás para a produção de energia elétrica, seria possível abastecer por um ano toda a área residencial de uma cidade com 600 mil habitantes.

O levantamento analisou separadamente os impactos dos diferentes tipos de emissão de gases. No que diz respeito ao gás carbônico, as estimativas foram feitas com base na fórmula adotada pelo IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), da Organização das Nações Unidas.

De acordo com o órgão, 30% do lixo é composto por resíduos secos, dos quais 60% são materiais como madeira, papel e plástico, incluindo resíduos de origem fóssil. A partir destes dados, é possível medir o fator de oxidação, que calcula a porcentagem de carbono oxidado quando a combustão ocorre, já descartando o que permanece como cinza ou fuligem.

No Brasil, segundo o IBGE, estima-se que cerca de 7,9% do total de resíduos gerados são queimados na própria residência. Considerando que cerca de 78,4 milhões de toneladas de resíduos foram geradas no país em 2017, significa dizer que aproximadamente 6 milhões de toneladas de resíduos foram incinerados ilegalmente.

Seguindo todas as premissas, chegou-se ao resultado de que a queima de lixo realizada irregularmente em território nacional é responsável pela geração anual de 256 mil toneladas de CO2.

Em relação à decomposição da matéria orgânica, a situação é ainda mais crítica, pois o gás metano é 28 vezes mais impactante para o aquecimento global do que o dióxido de carbono, de acordo com o IPCC. Além disso, trata-se de um gás incolor e sem cheiro, o que potencializa seu perigo para o planeta.

“Um dos fatores mais preocupantes é que a produção de CH4 não cessa com a interrupção do despejo irregular de resíduos. O lixo destinado de maneira errada hoje pode deixar de emitir o gás definitivamente só daqui a 30 anos”, diz o economista Jonas Okawara, responsável pelo estudo.

“O cálculo leva em consideração a quantidade acumulada de resíduos nos lixões, aplicando o fator de correção exponencial para ajustar o total acumulado em anos anteriores”, explica o pesquisador.

Estima-se que, somente em 2017, 29 milhões de toneladas de lixo foram destinadas de forma irregular no Brasil. A emissão de metano proveniente deste descarte ilegal equivale a 216 mil toneladas por ano.

Este montante equivale, vale lembrar, 6 milhões de toneladas de gases de efeito estufa (CO2eq), volume que se aproxima do emitido pelo vulcão Etna no mesmo período (5,8 milhões de toneladas).

Geração de energia limpa

Se essa quantidade de resíduos fosse destinada para um aterro sanitário, que possui capacidade para transformar metano em biogás, seria possível produzir no ápice da vida útil do aterro sanitário o equivalente à 1,7 bilhão de kWh ao ano – suficiente para abastecer com energia elétrica uma cidade de 600 mil habitantes.

Para os especialistas, apesar de alarmante e grave, é possível amenizar o impacto das emissões de gases oriundos do lixo. As soluções passam pela erradicação dos cerca de 3 mil lixões existentes no país e instalação de cerca de 500 aterros sanitários capazes de fazer toda a gestão dos resíduos.

Após quase 9 anos da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que estabelecia o fim dos lixões em 2014, 53% das cidades brasileiras ainda destinam o lixo incorretamente para vazadouros clandestinos; a cobertura dos serviços de limpeza urbana (coleta porta a porta) está longe da universalização (76%); 61,6% dos municípios ainda não estabeleceram fonte de arrecadação específica para custear a atividade; e o índice de reciclagem no Brasil não passa dos 3,6%. Os dados são do Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana (ISLU), desenvolvido pelo SELURB e pela PwC (PricewaterhouseCoopers).

“Para reverter este cenário, é preciso que instituir mecanismos de arrecadação específica para custear a operação dos aterros sanitários e incrementar a reciclagem e a universalização da coleta porta a porta; a exemplo do que ocorre com os serviços de água, luz, gás e telefonia.

Além da racionalização dos custos por meio da inteligência de escala proporcionada pela adoção de soluções compartilhadas entre os municípios”, destaca Rossin.

As medidas descritas propiciariam a construção de mais aterros sanitários, compartilhados entre cidades menores e uma logística mais eficiente para que o material coletado fosse destinado com o devido tratamento nestas estruturas, podendo gerar energia limpa em vez de aquecimento global.