A temperatura mais baixa e o tempo seco, que caracterizam o inverno, ligam o sinal de alerta para a saúde. Entre as preocupações nesta época do ano está a piora dos sintomas em pacientes que sofrem de asma. De acordo com a pneumologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, Marina Dornfeld, a estação conta com diversos gatilhos que estimulam as crises da doença, exigindo assim uma atenção redobrada na prevenção.

O sintoma mais conhecido e comum da asma, definida como uma inflamação crônica da via aérea, é a falta de ar. Porém, quem sofre da doença não fica restrito a essa manifestação, como explica Marina: “Além da falta de ar o paciente pode apresentar sibilância, que é o famoso chiado, aperto no peito e tosse. Todos esses sintomas podem variar de intensidade e ao longo do tempo.”

Para evitar esse transtorno durante a estação mais fria do ano é preciso seguir alguns cuidados e ficar atento a ações diárias. No topo da lista está seguir regularmente o tratamento e vacinar anualmente contra a gripe.

“A principal ação para evitar descompensações da asma no inverno é manter o tratamento regular a fim de deixar a via aérea menos suscetível a reagir a estímulos comuns, como baixa temperatura e tempo seco, exposição a ambientes com mofo e infecções respiratórias. Além disso, é imprescindível realizar a vacinação contra a influenza (gripe)”, ressalta a médica.

O tratamento, citado pela pneumologista, deve ser feito com medicações inalatórias incluindo corticosteroide associado ou não a broncodilatadores. Marina explica, no entanto, que o método de controle da asma sofreu recentemente uma mudança feita pela GINA – Global Initiative for Asthma, que guia a estratégia mundial sobre o problema.

“A nova recomendação aconselha que o tratamento não deve ser realizado apenas com medicação broncodilatadora de alívio (inalação ou ‘bombinha’ de crise), e sim incluir corticosteroide inalatório quando houver sintomas na asma leve, ou em baixas doses diariamente. É indicado para controlar os sintomas e prevenir risco futuro de eventos desfavoráveis. Mas é importante enfatizar que o controle deve ser mantido com a menor quantidade possível de medicamento”, finaliza a especialista.

HOSPITAL EDMUNDO VASCONCELOS

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Hospital Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 1.000 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 230 mil consultas ambulatoriais, 145 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,45 milhão de exames por ano. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o primeiro lugar no Prêmio Melhores Empresas para Trabalhar na categoria Saúde – Hospitais, conquistado por dois anos consecutivos, 2017 e 2018.

Rua Borges Lagoa, 1.450 – Vila Clementino, Zona Sul de São Paulo.
Tel. (11) 5080-4000

Site: www.hpev.com.br
Facebook: www.facebook.com/ComplexoHospitalarEV
Twitter: www.twitter.com/Hospital_EV
YouTube: www.youtube.com/user/HospitalEV
Linkedin:www.linkedin.com/company/19027549
Instagram:www.instagram.com/hospitaledmundovasconcelos/