Os nervos enviam estímulos ao cérebro, ele os manda para o córtex cerebral que identifica que algo não está bem, alguma região está com dor! Sensação que todos sentem em diversos momentos durante a vida, mas ela se torna um problema quando persistente. De acordo com uma pesquisa da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED), 37% dos brasileiros, especialmente os adultos, sofrem com uma dor crônica – denominação utilizada quando esse desconforto persiste por mais de três meses.

E ela pode ser debilitante, tendo consequências tanto na condição física, quanto psicológica e comportamental, afetando diretamente a qualidade de vida. Há casos em que as pessoas desenvolvem quadros de depressão, pois se veem impedidas de desenvolver atividades simples como ir ao cinema, fazer uma caminhada ou viajar, fazendo-as até mesmo se conformarem com esse estado de algia permanente. Mas não é normal viver com dor e não deveríamos nos acostumar com isso.

Muitas vezes, o quadro pode ter indicação cirúrgica. Caso de um paciente que me procurou com essa prescrição para sua hérnia de disco extrusa. O quadro era de dor acentuada na região lombar que irradiava para as pernas e limitava grande parte de suas atividades.

Mas cirurgia é um procedimento muito delicado e pode acabar envolvendo alguns riscos. E há situações em que o trabalho do fisioterapeuta pode evitar a necessidade da intervenção cirúrgica ou mesmo o uso de medicamentos por longos períodos, o que, felizmente, aconteceu nesse caso.

Para chegarmos a resultados como esse, uma profusão de técnicas pode ser utilizada, proporcionando controle e diminuição da dor e aumento do bem-estar. Com este paciente, o tratamento começou com liberação miofascial, seguido de RPG (Reeducação Postural Global), que corrige ou atenua alterações na coluna. No Brasil, as dores da coluna são as principais causas de afastamento no trabalho, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Foram ainda utilizadas técnicas de alivio da dor com aparelhos de analgesia de alta tecnologia e com o Pilates, que proporcionou melhora no alongamento, flexibilidade e aumento do fortalecimento muscular. Tudo isso evitou a cirurgia e também proporcionou a esse paciente uma vida sem dor que já completa 10 anos. As regatas com o seu veleiro voltaram a ser uma realidade, e as dores constantes são “águas passadas”. Porque é possível viver sem dor!

Dra. Gislaine Milena Marton é fisioterapeuta e proprietária da clínica Quality Fisio & Pilates.