VOCÊ SABE POR QUE SUAS COSTAS DOEM?

por Dra. Gislaine Milena Marton

Se você ainda não sentiu, provavelmente vai, em algum momento da vida, se queixar de dores nas costas. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, esse é o problema de saúde mais comum entre os brasileiros, atinge mais de 16% da população ativa.

A coluna é uma estrutura sensível, formada por músculos, nervos e discos, e diversos fatores podem afetá-la como desvio de postura, sedentarismo e até estresse, causando, ou não, doenças mais graves como hérnia de disco.

Por ser tão comum e frequente, alguns mitos rondam a dor nas costas, como a ideia de que ela e o envelhecimento são inseparáveis. Mito! O tempo gera um desgaste natural de músculos e ossos sim, o que pode ocasionar artrose (processo degenerativo de uma articulação), mas isso não é regra.

Há formas de evitar, começando pela prevenção com atividades físicas. Elas são recomendadas para evitar que as dores nas costas, decorrentes de má postura, falta de flexibilidade e fraqueza muscular, progridam.

Achar que dormir em um colchão duro vai aliviar ou impedir de sentir torcicolo ou lombalgia (dor na região lombar inferior) também é um engano. O que importa mesmo, além do colchão e travesseiro corretos, é a forma como se deita.

A posição correta é de lado, com um travesseiro que se encaixe perfeitamente entre a cabeça e o colchão, formando um ângulo de 90 graus entre o pescoço e o ombro. E mais, utilizar outro travesseiro entre os joelhos, que deverão estar preferencialmente semiflexionados, faz maravilhas às 33 vértebras da coluna.

Uma verdade: stress pode sim causar dores nas costas. É comum atender pacientes com problemas do tipo. Nesse caso, após uma avaliação fisioterápica, é possível estabelecer um programa de analgesia, liberações manuais, correções posturais com RPG (Reeducação Postural Global) e fortalecimentos específicos que transformam a vida de uma pessoa, proporcionando muito mais qualidade de vida.

Também é fato que a automedicação dificulta o tratamento para dor nas costas, muitas vezes camuflando o problema. E a dor contínua, com “pontadas” que irradiam para os membros, prejudicando as atividades diárias e limitando movimentos simples. Esse é um sinal do corpo para doenças mais sérias. Por isso, sentindo dor esporádica ou persistente, procure um especialista que pode indicar de exercícios simples a específicos para seu problema. Afinal, ninguém precisa viver com dor!

* Dra. Gislaine Milena Marton é fisioterapeuta e proprietária da clínica Quality Fisio & Pilates.

Anterior COMBINAÇÕES DE CIRURGIAS PLÁSTICAS DE UMA SÓ VEZ EXIGEM BOM SENSO
Próxima DEZ PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RELAÇÃO ENTRE FUMO E CÂNCER