Um gesto de amor e doação ao próximo marca a vida de centenas de mulheres que dedicam seu tempo para cuidar de crianças e adolescentes nas casas de acolhimento da Aldeias Infantis SOS Brasil — organização humanitária internacional, líder em cuidado infantil.

Rita de Cássia é mãe social há 43 anos. Neste tempo, já teve 66 filhos sociais, 49 netos e dois bisnetos. Conheceu a Aldeias Infantis por meio de um padre, com quem ajudou a construir o espaço da organização em Goierê, no nordeste do estado do Paraná. Em 1979, assumiu a primeira casa com quatro filhos. Hoje, já aposentada, Rita atua como cuidadora substituta e não pensa em deixar a organização. “Sei que ainda posso fazer muito pelas crianças e que posso contribuir para o crescimento deles”, afirma.

Célia também é mãe social. Em seis anos na organização, já cuidou de 30 crianças e adolescentes. “Vim para São Paulo em 2013. Conheci a Aldeias Infantis por meio de um anúncio de vaga para mãe social e me candidatei. Quando conheci a casa lar, fiquei muito emocionada e me senti completa ao poder dar amor e carinho para essas crianças”, diz.

Regulamentada no Brasil desde 1987, as mães sociais vivem em casas abrigo e dão suporte para crianças e adolescentes que estão à espera de voltar ao convívio da família biológica ou de serem adotados. Hoje, em todo o país, mais de 48 mil crianças e adolescentes vivem em abrigos, dos quais apenas 4.992 estão aptas para adoção.

Desde a sua fundação em 1967, a Aldeias Infantis já acolheu mais de 130 mil crianças e adolescentes. Atualmente, 452 menores estão sob os cuidados de 187 mães sociais nos projetos de acolhimento oferecidos pela Aldeias Infantis em sete estados do país.

Sobre a Aldeias Infantis SOS Brasil
Como organização humanitária global, líder em cuidado infantil, a Aldeias Infantis SOS (SOS Children’s Villages International) atua no Brasil há mais de 50 anos, onde cuida de crianças, fortalece famílias, dá resposta à situações de emergência e advoga pelo direito de viver em família e comunidade. Presente em 27 localidades de Norte ao Sul do país, a Organização oferece atividades diárias que geram impactos positivos para mais de 11 mil pessoas, por meio de projetos de educação, esporte, lazer, geração de renda e empregabilidade, com foco na quebra dos ciclos de pobreza, violência e exclusão.