São Paulo, 29 de novembro de 2019 — Segundo pesquisa realizada pela GfK, consultoria especializada em estudos de mercado, o consumidor reconhece o Natal como um evento para presentear outras pessoas. A Black Friday, por sua vez, é o momento das realizações pessoais.
“A Black Friday é a hora do consumidor se presentear. Normalmente, as compras são focadas em tecnologia”, diz Wesley Ribeiro, professor de Gestão de Varejo da ESPM Porto Alegre. “Comparado ao natal, o valor médio gasto por produto é bem maior, pois o preço médio dos itens de tecnologia supera as lembranças de natal”.

A Black Friday, realizada sempre na última sexta-feira de novembro, tornou a sazonalidade mais importante para o setor de bens duráveis — eletroeletrônicos, eletrodomésticos, por exemplo. No Brasil, diferentemente da tradição americana, além das queimas de estoque, também é uma oportunidade para os consumidores adquirirem produtos de maior valor – – este é o momento planejado para fazer um upgrade no celular ou na televisão. Para esses segmentos, tornou-se uma data mais importante que o Natal.

A maioria dos consumidores entende a oportunidade — 76% dos participantes são BF Lovers, aqueles que já compraram em pelo menos duas Black Fridays e declaram que se planejaram para comprar na data.
Nos últimos cinco anos, o crescimento do evento no Brasil tem sido superior ao dos países europeus. “A Black Friday brasileira amadureceu. Antes, a data era conhecida por vender “tudo pela metade do dobro” ou como Black Fraude. Hoje, existem ferramentas tecnológicas para fazer o rastreamento fidedigno dos preços”, diz Ribeiro.

Para tirar proveito dessa onda, o professor explica que em tempos de omnichannel, termo utilizado para a integração de todos os canais de vendas, as marcas podem e devem utilizar o apelo da campanha para atrair os clientes. Contudo, é necessário ter cautela para não criar concorrência com o próprio negócio. “Muitas vezes, o cliente chega na loja física e o preço do mesmo produto, na loja online, é mais barato do que na física”.

Dados do Google Provokers mostram que os consumidores querem mais do que preço baixo: 54% dos fatores de escolha na hora da compra estão ligados à confiança e ao nível de serviço. A confiança na loja é responsável por 16% das escolhas. A confiança na marca e produto por 13%. O pagamento parcelado por 11%, o valor do frete é responsável por 10% e o tempo de entrega, 4%.

Sobre a ESPM

A ESPM é uma escola de negócios inovadora, referência brasileira no ensino superior nas áreas de Comunicação, Marketing, Consumo, Administração, Diplomacia Corporativa e Economia Criativa. Seus 15 000 alunos dos cursos de graduação e de pós-graduação e mais de 1 200 funcionários estão distribuídos em oito campi – quatro em São Paulo, dois no Rio de Janeiro, um em Porto Alegre e um em Florianópolis. O lifelong learning, aprendizagem ao longo da vida profissional, o ensino de excelência e o foco no mercado são as bases da ESPM. Para isso, a instituição investe constantemente em novas metodologias de aprendizagem, tecnologias e infraestrutura.