Se antes fazer dinheiro sem sair de casa era algo como um sonho, em tempos de recolhimento se torna primordial reorganizar a vida, os negócios e as possibilidades de alcançar clientes.

Os microempreendedores, durante o surto da COVID-19, são muito afetados: uma vez que sua renda mensal está frequentemente atrelada à venda de produtos – num fluxo bem menor do que o das grandes empresas, por razões óbvias – ou contratação de serviços, os resultados ao final de um ciclo podem ser catastróficos.

Na situação em que estamos, torna-se primordial readaptar os negócios à realidade do país. De acordo com comentários do ministro da saúde, que podem ser facilmente encontrados na internet, é possível que o surto de coronavírus só diminua significativamente em meados de setembro.

Não é possível esperar até lá para se movimentar ou repensar as formas de fazer negócios, não é verdade? Modificações na nossa maneira de viver implicam em modificações na nossa maneira de vender.

Abaixo, falaremos um pouco mais sobre algumas estratégias que podem ser adotados pelos microempreendedores e por todos aqueles que possuem pequenas lojas. Confira!

COVID-19: como os microempreendedores podem continuar a trabalhar durante a pandemia?

Primeiro, é preciso entender que não é possível manter as coisas “do jeito de sempre”: se você tinha o costume de atender pessoas na sua casa ou em um pequeno estabelecimento, frequentava reuniões ou fazia feiras, por exemplo, precisará se desapegar desses modelos de trabalho.

Com o isolamento social – que, salientamos, é obrigação de todos nós -, as pessoas recorrem aos meios de comunicação, como a televisão e a internet, para estar sempre em contato com o mundo. Da mesma forma, esses são os meios através dos quais elas poderão fazer compras.

Vender pela internet é a melhor opção

Quem tem um negócio, portanto, tem obrigação de estar conectado: fazer um site, ainda que feito em plataformas “faça você mesmo”, criar um usuário no Instagram e participar de fóruns, grupos de discussão no Facebook e similares são algumas das tarefas do microempreendedor para os próximos meses.

Se você tem produtos que podem ser enviados por correio ou levados a clientes por meio de transportes específicos, cogite a possibilidade de criar uma loja virtual – com ela, você pode trabalhar sob encomenda, produzindo os artigos desejados pelos clientes, ou com pronta entrega.

Atualizar as suas redes sociais diariamente, estar presente em lives do Instagram e manter uma conversa com os seus consumidores é fundamental: dessa forma, você consegue crescer, firmar a autoridade da sua marca e, de quebra, ganhar a simpatia e o carinho dos clientes e possíveis clientes.

Para quem trabalha com algo manual, que exige a presença física dos consumidores, encontrar um novo espaço no mercado pode ser desafiador. Como a tendência é que fiquemos afastados por muitas semanas, vale a pena pensar em como monetizar a sua presença virtual.

Criar um curso online, que pode ser comprado em uma plataforma de grande acesso, é uma opção. Da mesma forma, criar um ebook e vendê-lo na Amazon pode ter bons efeitos.

Para quem se sente confortável com a ideia de vender a própria imagem, vale a pena investir em conteúdo personalizado, gravado pelo celular mesmo, que vai direto para as redes sociais. Adquirindo notoriedade, você pode conseguir apoio financeiro significativo.

Enquanto você trabalha para construir uma versão online de si mesmo e do seu negócio, você pode aproveitar as horas vagas para ganhar dinheiro de formas diferenciadas. Citamos alguns exemplos abaixo.

Como ganhar dinheiro em casa: possibilidades para quem está em quarentena

A primeira opção para quem tem tempo “ocioso” é responder pesquisas, testar aplicativos e até mesmo produtos. Existem empresas que pagam por número de questionários, que oferecem bonificações e dão descontos em serviços para quem se oferecer como testador.

Pode ser difícil conseguir um número grande de pesquisas para responder, porque nem sempre estamos dentro do perfil desejado para todas, mas aos poucos é possível alcançar um volume significativo de questionários.

Acesse plataformas como a Toluna, o Ubertesters, o UserTesting e o TestBirds para saber mais, e cadastre-se nas newsletters de alguns dos sites de pesquisas mais populares.

Aposte em outros dons

Há quem não goste da ideia de trabalhar fora do seu nicho, mas determinadas situações podem nos obrigar a expandir os nossos horizontes.

Se você tem habilidade com escrita, cogite fazer alguns cursos de redação – a Rock Content e a Hubspot oferecem cursos gratuitos, de excelência, para quem deseja ser redator freelancer.

Se o seu negócio é o design ou o desenho, faça cursos de Photoshop ou animação e comece a construir um portfólio: para isso, ofereça pequenos serviços. Dessa forma, você faz dinheiro, treina as suas habilidades recém-adquiridas e constrói novas possibilidades financeiras.