PUC-Campinas disponibiliza projeto de protetores faciais a interessados em produzir o equipamento

Modelos podem ser baixados pela internet e estão liberados para reprodução

A PUC-Campinas está disponibilizando modelos de seu projeto de confecção de máscaras protetoras, que estão sendo produzidas para profissionais do Hospital da Universidade e de outros hospitais da região. Por e-mail, podem ser solicitados os arquivos em formatos que podem ser feitos na cortadora a laser e na impressora 3D.

Clique aqui para baixar os modelos

drive.google.com/drive/folders/1MKjChgNHggbs_zkw08VqGJL8woGL4dz3?usp=sharing

A Universidade começou a produzir os protetores faciais em conjunto com a empresa Sethi 3D, após adaptar um projeto do Instituto da Georgia Tech. Utilizando inicialmente um projeto aberto disponibilizado pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology), a produção estava demorando cerca de duas horas e meia por máscara. Mas com a adaptação feita na PUC-Campinas, utilizando conjuntamente cortadoras a laser e impressoras 3D, o tempo caiu para dois minutos.

Esse modelo desenvolvido pela Universidade, feito de forma mais rápida e, por isso, com custos menores, pode servir para a utilização de outras instituições, laboratórios e empresas que queiram produzir os protetores para auxiliar hospitais. O custo é de cerca de R$ 8 por protetor.

“A equipe de pesquisadores da PUC-Campinas se disponibiliza para tirar eventuais dúvidas e para receber sugestões de melhoria do projeto”, disse o Prof. Dr. César Cordova Quiroz, que desenvolveu o projeto para a cortadora a laser. Os pedidos de informações podem ser feitos pelo e-mail: cesar.quiroz@puc-campinas.edu.br.

O equipamento, feito em policarbonato e acetato, além de proporcionar maior segurança aos médicos e enfermeiros, tem prazo de validade maior do que as máscaras utilizadas normalmente. O protetor pode ser reutilizado depois de higienizado de forma adequada.

Segundo o professor Daniel Paz de Araújo, da Faculdade de Engenharia de Computação e do Laboratório de Fabricação Digital do Espaço Mescla, já foram entregues 115 Kits, sendo 100 para o Hospital da PUC e 15 kits para o Centro de Saúde Taquaral.

Os formatos disponibilizados são:

1) .STEP e .IGES- arquivo 3D, que pode ser modificado por qualquer usuário e em qualquer software de modelagem 3D;

2) .STL – arquivo que pode ser impresso na impressora 3D – respeitando os 10 mm de espessura;

3) .DXF – arquivo que pode ser importado para a cortadora a laser;

4) .PDF – para efeitos de visualização do projeto.

 

Publicidade:
Anterior Obesidade está presente em metade dos internamentos por COVID-19 nos EUA e na França
Próxima Como cuidar do carro parado durante o isolamento social?