Estresse pode causar queda de cabelos

Dermatologista e tricologista explica que vários fatores influenciam perda dos fios, inclusive situação emocional, decorrente da pandemia de coronavírus

Assim como no outono, em que as folhas caem para renascerem na primavera, o cabelo também tem esse período, em que os fios caem para outros nascerem. Por dia, em média, cada pessoa perde entre 50 e 100 fios de cabelo, o que é considerado normal.

O que chama a atenção nesta época do ano, é quando a queda capilar aumenta gradativamente. Com temperaturas mais amenas, as pessoas mudam a rotina de cuidados de beleza, o que pode interferir na saúde dos fios, como por exemplo, banho longos de água quente.

“A água quente quando em contato com o couro cabeludo, aumenta a oleosidade na região. Isso pode acarretar em várias consequências, tais como incidência de caspas e estímulo maior para a queda dos fios”, revela a dermatologista e tricologista responsável pela Clínica Caiena, Dra. Angélica Pimenta.

Outro fator que pode influir e implicar em quedas é o isolamento social a que a população brasileira foi submetida desde o último mês de março, como forma de refrear o avanço da pandemia de coronavírus pelo País. E sabe por quê? A pele e o cabelo são os primeiros que sofrem quando passamos por períodos de grande estresse. “Muitos pacientes com histórico de queda capilar que chegam até a clínica têm o problema originado por questões emocionais. A boa notícia é que todo quadro é reversível, desde que o paciente procure ajuda profissional rapidamente e siga o tratamento corretamente”, explica.

Tratamentos

Um dos tratamentos existentes no mercado é a terapia capilar, solução trabalhada pela dermatologista na Clínica Caiena. A técnica auxilia na contenção da queda capilar e auxilia no crescimento sadio dos fios.

Essa técnica é realizada por meio de aplicações com medicamentos específicos que agem ontra a queda de cabelo, caspa, fragilidade dos fios e oleosidade excessiva, esse tratamento também prepara o cabelo para procedimentos químicos, minimizando os efeitos da química.

O método ajuda na prevenção da queda e de doenças relacionadas às hastes dos fios e couro cabeludo, como as caspas. “Terapia capilar é um conjunto de tratamentos que montamos para os pacientes, de acordo com os exames capilares específicos, como análise do bulbo capilar. Focamos nas principais alterações que os pacientes possuem, com resultados mais rápidos e eficientes”, disse a dermatologista e tricologista, Dra. Angélica Pimenta.

Segundo a especialista, quanto mais cedo a terapia for realizada, entre 15 de 25 anos, melhores são as chances de recuperação dos fios.

Publicidade:
Anterior Adoção de animais de estimação é um alerta para o cuidado preventivo de pulgas e carrapatos nos ambientes
Próxima Covid-19: fake news podem colocar em risco a vida de asmáticos