PACIENTES CURADOS DA COVID-19 SÃO MAIS SENSÍVEIS À FUMAÇA E FULIGEM PRODUZIDAS PELAS QUEIMADAS

Segundo médico do Sistema Hapvida, queimadas podem gerar problemas de saúde como intoxicação, asma, conjuntivite, bronquite, irritação dos olhos e garganta, tosse, falta de ar, vermelhidão, alergia na pele, entre outros
A região de Ribeirão Preto tem registrado focos de incêndio nos últimos dias. Somado a isso, não há registro de chuvas na região desde 27 de junho, a umidade relativa do ar segue em estado de atenção e o tempo permanece seco.

Neste contexto, os males causados pela fumaça das queimadas afetam pessoas de todas as idades, principalmente, as que possuem algum tipo de comorbidade. Além disso, segundo Izac Miranda, clínico geral do Sistema Hapvida, do qual o Grupo São Francisco faz parte, aqueles que já testaram positivo para a Covid-19 são mais sensíveis à fumaça e fuligem produzidas pelas queimadas e podem ter o quadro agravado.

“O Coronavírus somando-se à fuligem é pior, pois já temos população propensa a ter essa irritação pela inalação. O número de pessoas já contaminadas com a Covid-19 é alto, o vírus pode deixar sequelas que levam dias ou meses para ter a recuperação total. Então, a fumaça faz com que essa inflamação pulmonar venha à tona deixando a pessoa, novamente, com franca dispneia, tendo que procurar o pronto atendimento para fazer alguma medida para retornar à normalidade”, explica o médico Izac Miranda.

O médico afirma ainda que os idosos, fumantes e ex-fumantes também fazem parte do público para o qual requer mais cuidados neste período em que as queimadas são comuns, pois são mais propensos a sentir a insalubridade da fumaça e da fuligem.

“Toda a pessoa, com o envelhecimento, tem debilitação de todos os órgãos; e na questão pulmonar não é diferente”, admite Izac Miranda, detalhando que nesta fase é comum que desenvolvam gripes, resfriados e até pneumonia com mais frequência, que podem ser agravadas com a presença da fumaça e fuligem.

Em pessoas de todas as idades, os efeitos da fumaça e fuligem produzidos por estas queimadas podem causar problemas de saúde como intoxicação, acidente vascular cerebral (AVC), desordens cardiovasculares, enfisema pulmonar, asma, conjuntivite, bronquite, irritação dos olhos e garganta, tosse, falta de ar, nariz entupido, vermelhidão e alergia na pele, além de contribuir para o efeito estufa e aumentar, ainda mais, os efeitos negativos provocados pela baixa umidade do ar nos períodos de seca. Se houver fuligem, soma-se ao seu potencial tóxico, o gasto de água (geralmente potável) para a limpeza.
Dr. Izac Miranda, clínico geral do Sistema Hapvida, do qual o Grupo São Francisco faz parte
Publicidade:
Anterior O PODER DA EMPATIA NO BEM ESTAR DAS EMPRESAS
Próxima ISOLAMENTO SOCIAL REACENDE A IMPORTÂNCIA DE PASSEAR PELA CIDADE