2ª MOSTRA DE CINEMA EGÍPCIO CONTEMPORÂNEO: CCBB EXIBE ON-LINE, GRÁTIS, ATÉ 23 DE AGOSTO

A 2ª Mostra de Cinema Egípcio Contemporâneo chega à sua última semana com um novo debate e sessões extras que são anunciadas diariamente no site do festival

A 2ª Mostra de Cinema Egípcio Contemporâneo chega à sua última semana com um novo debate e sessões extras que são anunciadas diariamente no site do festival (fique de olho!), além de filmes inéditos e premiados.

 

A mostra, a primeira totalmente on-line realizada pelo CCBB, ​começou em 29 de julho e vai até 23 de agosto no site www.cinemaegipcio.com, com acesso gratuito. O projeto é patrocinado pelo Banco do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Na quinta-feira, 20 de agosto, às 20h30, logo após a sessão de A girafa(2018), será realizada uma conversa com o diretor do filme Ahmed Magdy e a jornalista e crítica de cinema Maria do Rosário Caetano, com mediação do curador Amro Saad.

 

A girafa é o filme de estreia na direção de longa-metragem do ator egípcio Ahmed Magdy, que trabalhou em cerca de 20 filmes para a televisão e o cinema, entre eles Mawlana (2016), de Magdi Ahmed, que será exibido na mostra no sábado, dia 22. A girafa participou de diversos festivais internacionais como o do Cairo, de Marrakech e o Trans-Saharan.

Entre os filmes inéditos que serão exibidos esta semana estão Caos e desordem (2012), primeiro longa-metragem da diretora Nadine Khan, que ganhou o Prêmio do Júri no Festival de Dubai; e o esperado O elefante azul 2 (2019), de Marwan Hamed, filme de terror que é o maior sucesso de bilheteria da história do cinema egípcio. Fotocópia (2017), de Tamer Ashry, um dos filmes mais elogiados pelo público da mostra, e Mensagens do mar (2010), de Daoud Abdel Sayed, que recebeu os prêmios de Melhor Diretor, Melhor Ator e Melhor Ator Coadjuvante no Festival de Cinema Egípcio do Cairo, terão novas sessões no domingo, dia 23.

A 2ª Mostra de Cinema Egípcio Contemporâneo apresenta 24 títulos produzidos entre os anos de 2011 e 2019, que revelam a nova geração de cineastas egípcios em documentários e ficções de diversos gêneros – da comédia ao terror, selecionados pelo produtor e curador Amro Saad, egípcio naturalizado brasileiro.

 

Programação até 23 de agosto:

Dia 19/08 – Quarta-feira

19h – “Caos e desordem”. De Nadine Khan (Egito, 2012). 77 min. 12 anos.

Manal, Zaki e Mounir estão na faixa dos vinte anos. Vivem em uma comunidade caótica, próxima a um depósito de lixo, onde suas necessidades básicas são minimamente atendidas. Sob esta desordem social, existe uma camada de relações problemáticas em que se misturam amor, decadência e uma disputa entre Zaki e Mounir pelo amor de Manal. Uma competição cujo resultado será decidido por uma partida de futebol.

22h – “Fora do comum”. De Daoud Abdel Sayed (Egito, 2014). 133 min. 12 anos.

Um médico tira férias em Alexandria quando sua pesquisa sobre a existência de poderes psíquicos em humanos deixa um espaço em branco. Ele se instala em uma pousada à beira-mar, lar de um grupo excêntrico de personagens.

Dia 20/08 – Quinta-feira

19h – “A girafa”. De Ahmed Magdy (Egito, 2018). 75 min. 14 anos.

Ahmed percorre a paisagem noturna do Cairo ansioso por conseguir dinheiro para pagar pelo aborto de uma jovem – um procedimento que deve ocorrer imediatamente. Ele se depara com um grupo intrigante de jovens, liderado por uma mulher que tem como objetivo resolver o enigma em torno de uma girafa que supostamente está escondida no zoológico do Cairo. À medida que uma cadeia absurda de eventos se desenrola, Ahmed se distrai de sua missão.

22h – “Caos e desordem”. De Nadine Khan (Egito, 2012). 77 min. 12 anos.

Dia 21/08 – Sexta-feira

19h – “O elefante azul 2”. De Marwan Hamed (Egito, 2019). 130 min. 16 anos.

Um novo preso no hospital psiquiátrico vira a vida do Dr. Yehia de cabeça para baixo. Ele prenuncia que a morte de toda a sua família está a apenas três dias. Yehia então usa as pílulas de elefante azul na tentativa de controlar as coisas e resolver os quebra-cabeças que ele enfrenta. O longa se tornou o filme egípcio com maior bilheteria na história do cinema egípcio.

22h – “A girafa”. De Ahmed Magdy (Egito, 2018). 75 min. 14 anos.

Dia 22/08 – Sábado

17h – “Mawlana”. De Magdi Ahmed Ali (Egito, 2016). 130 min.10 anos.

Uma jornada aparentemente tradicional de um jovem sheikh em uma mesquita governamental que deixa de liderar orações para se tornar uma celebridade da TV emitindo “fatwas” aceitos por milhões de pessoas. Ele conquista uma legião de fãs por sua coragem e pelas tentativas de se desviar do retórica religiosa usual em uma sociedade fortemente influenciada pelo fundamentalismo.

20h – “O elefante azul 2”. De Marwan Hamed (Egito, 2019). 130 min. 16 anos.

Um novo preso no hospital psiquiátrico vira a vida do Dr. Yehia de cabeça para baixo. Ele prenuncia que a morte de toda a sua família está a apenas três dias. Yehia então usa as pílulas de elefante azul na tentativa de controlar as coisas e resolver os quebra-cabeças que ele enfrenta. O longa se tornou o filme egípcio com maior bilheteria na história do cinema egípcio.

Dia 23/08 – Domingo

16h30 – Encerramento / vídeo dos melhores momentos (disponível por 24h)

17h – “Fotocópia”. De Tamer Ashry (Egito, 2017). 90 min.10 anos.

Mahmoud, um velho aposentado, é proprietário de um centro de datilografia e fotocópia no Cairo que está lentamente se tornando irrelevante devido ao crescente uso de computadores. Ele leva uma vida rotineira que gira em torno de seus negócios, sua pensão sempre atrasada, seus vizinhos e clientes. Mahmoud começa a aprender sobre a extinção de dinossauros, e com isso desencadeia uma série de eventos que darão um novo significado a sua vida. 

20h – “Mensagens do mar”. De Daoud Abdel Sayed (Egito, 2010). 134 min.12 anos.

Após a morte de sua mãe, Yehia decide voltar para Alexandria, o lugar onde ele cresceu e se apaixonou. Desiste do emprego de médico e começa a pescar. Ele aprende muito com as histórias de outras pessoas e descobre o significado da vida enquanto medita no mar.

SERVIÇO

2ª Mostra de Cinema Egípcio Contemporâneo

29 de julho a 23 de agosto de 2020

Patrocínio: Banco do Brasil

Realização: Centro Cultural Banco do Brasil

Curadoria: Amro Saad

Produção: Orientse

Acesso à Mostra: cadastro gratuito pelo http://www.cinemaegipcio.com

Centro Cultural Banco do Brasil

#CCBBemCasa

Acesso às ações e links de outra atividades digitais:

www.bb.com.br/cultura e redes sociais dos CCBBs

Publicidade:
Anterior TRANSTORNOS CAUSADOS PELA PANDEMIA PODEM GERAR DOR NO CORPO
Próxima LEILÃO BENEFICENTE DE ARTE CONTEMPORÂNEA ARRECADA RECURSOS PARA MÉDICOS SEM FRONTEIRAS