METADE DOS TRABALHADORES DAS CLASSES A/B ADOTA HOME OFFICE DURANTE A PANDEMIA

Nos grupos de maior renda, 52% dos profissionais fazem trabalho remoto, segundo pesquisa C6 Bank/Datafolha; nas classes D/E, percentual é de 26%
Saúde mental no home office Pexels

São Paulo, 21 de agosto de 2020 – Durante a quarentena, o home office tem sido realidade, principalmente, para os profissionais das classes A/B, segundo pesquisa C6 Bank/Datafolha. Considerando a PEA (População Economicamente Ativa), nesses estratos de renda, 52% dos profissionais adotam trabalho remoto durante a pandemia. Apenas 29% da classe C e 26% das classes D/E fazem o mesmo.

A pesquisa também mostra que a maioria dos trabalhadores assalariados não migrou para o teletrabalho. Entre os assalariados na PEA, 68% dizem não ter adotado o home office. Entre profissionais liberais, autônomos e empresários, 47% trabalharam remotamente no período e 53% não fizeram home office.

Em termos de nível de escolaridade, as pessoas com ensino superior foram, em geral, as que mais passaram a fazer home office durante a quarentena: 57% ante 22% para trabalhadores com ensino fundamental e 31% para pessoas com ensino médio.

As pessoas das classes D/E foram também as que tiveram as carreiras mais afetadas pela pandemia. Nesse grupo, 58% das pessoas responderam que tiveram as carreiras prejudicadas. Já nas classes A/B, o índice foi de 37%.

Quando se avalia a questão sob a ótica da escolaridade, os respondentes com ensino superior foram menos prejudicados: 41% disseram que tiveram problema com o desenvolvimento da carreira. No grupo com ensino fundamental, 58% declararam que tiveram a carreira prejudicada.

A suspensão de contratos de trabalho também foi menos frequente entre os integrantes das classes A e B: 14% frente a 23% entre a classe C e 21% entre as classes D/E. Em termos gerais, a suspensão dos contratos de trabalho atinge 20% da População Economicamente Ativa, impactando tanto os assalariados como os profissionais autônomos e free-lancers que, segundo o Datafolha, já tinham contratos mais irregulares, inconstantes e cuja relação com os contratantes na pandemia pode ter ficado mais frágil.

A pesquisa ouviu 1.503 pessoas das classes A, B, C, D e E de todo o Brasil. As entrevistas foram realizadas por telefone entre 6 e 10 de julho, e a margem de erro é de 3 pontos porcentuais.

Sobre o C6 Bank

O C6 Bank é um banco completo para pessoas físicas e jurídicas. A instituição recebeu licença do Banco Central para operar como banco múltiplo em janeiro de 2019. O banco, que opera sem agências físicas, está baseado em São Paulo e integra um grupo do qual fazem parte também as empresas PayGo, Som.us, Setis e IDEA9. Juntas, as companhias somam mais de mil funcionários.

Publicidade:
Anterior GUILHERME & BENUTO LANÇAM A PRIMEIRA MÚSICA DO HISTÓRICO DVD “DRIVE IN 360”
Próxima GUAÍRA: Boletim Municipal de Combate ao Coronavírus (COVID-19)