PROFESSORES DEVEM DIMINUIR RITMO E RECORRER A STORYTELLING PARA CAPTAR ATENÇÃO DOS ALUNOS, RECOMENDA DANIEL GOLEMAN EM EVENTO DO SAS EDUCAÇÃO

Jornalista e doutor em Psicologia, o norte-americano referência em inteligência emocional foi palestrante do SAS Summit

No evento, também foi anunciada iniciativa da plataforma com foco em habilidades socioemocionais, para o projeto de vida do aluno

São Paulo, agosto de 2020. Para prender a atenção dos alunos nas aulas à distância durante a pandemia, professores devem ensinar em ritmo mais lento e recorrer a artifícios como contação de histórias – storytelling – relacionadas à matéria, brincadeiras e outros elementos de entretenimento.

É o que acredita o jornalista norte-americano, doutor em Psicologia e professor de Harvard, Daniel Goleman, considerado pela comunidade acadêmica como o “pai” do conceito de Inteligência Emocional. Ele foi palestrante da 1ª edição do SAS Summit, evento 100% digital realizado pelo SAS Plataforma de Educação na noite de quarta-feira, 19.

Para o especialista, que figura entre as mentes mais influentes segundo o The Wall Street Journal, as crianças estão deixando de desenvolver a habilidade social durante o distanciamento, e a tecnologia ainda não consegue substituir essa experiência. Além disso, ele aponta que o ensino remoto também não possibilita a conexão cerebral entre professor e aluno, essencial para a concentração em sala de aula.

“Mas a boa notícia é que as crianças conseguirão retomar rapidamente quando voltarem ao convívio escolar, o cérebro tem essa capacidade de reaprender e se desenvolver mais pra frente”, afirma.

Goleman apresentou o funcionamento do cérebro para explicar a inteligência emocional e como as ameaças – não somente físicas, mas psicológicas, como a ansiedade durante a pandemia – fazem a amígdala, parte central do cérebro responsável pelas emoções, acionar gatilhos para que o córtex pré-frontal tome decisões impulsivas.

Diante desse contexto, o aprendizado se torna mais difícil porque, segundo o especialista, o estresse e o tédio “sequestram” as emoções o tempo todo, prejudicando a concentração e, consequentemente, o desempenho.

“Ainda não conhecemos os possíveis efeitos colaterais a essas crianças e adolescentes, todos estamos passando pela primeira vez por uma pandemia como esta. As crianças têm diferentes necessidades e respostas para cada faixa etária, mas todas sentem no ar a ansiedade em relação ao novo coronavírus”, explicou Goleman.

“Uma das coisas que podemos fazer para as nossas crianças é realizar a gestão dessa ansiedade para que os impactos sejam amenizados. Mas eu gostaria de encorajar os professores a cuidarem de si primeiro, com métodos de relaxamento, para que estejam capazes de cuidar melhor de seus alunos”, disse.

Parceria entre SAS e Pleno traz iniciativa voltada à habilidades socioemocionais

As habilidades técnicas são mais importantes do que as cognitivas, que representam apenas 15% das competências necessárias para os grandes líderes, segundo estudo apresentado por Goleman no evento. Para o especialista, as habilidades são importantes para cumprimento de tarefas, mas não são diferenciais para a alta performance, seja no mercado de trabalho, seja na escola.

Diante da evidente importância do desenvolvimento de habilidades socioemocionais para o alcance de objetivos pessoais e profissionais, o SAS Plataforma de Educação e o Programa Pleno anunciaram parceria para o lançamento de um produto para alunos do Ensino Médio, focado no projeto de vida, tópico abordado pela diretriz de número 6 da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

A solução visa a contribuir para a inserção social e atuação ética dos jovens na sociedade e, para isso, proporciona uma jornada pedagógica, iniciada com o acolhimento do aluno e estruturada a partir de quatro blocos pedagógicos: Propósito, Impacto, Escolha e Fazer Acontecer. Dentro de cada bloco, serão desenvolvidos três grandes eixos: “Eu comigo mesmo”, “Eu e o Mundo” e “Escolha Profissional”. A plataforma também disponibilizará um aplicativo para o engajamento dos alunos no processo.

“A escola tem grande contribuição para ajudar o aluno criar o seu projeto de vida, a articular anseios com seu futuro e, ao mesmo tempo, articular anseios futuros com a continuidade dos estudos no Ensino Médio, quando o desenvolvimento pessoal e social ganha mais força”, afirma Marcos Moriggi, Diretor de Consultoria Pedagógica do SAS Plataforma de Educação.

Hanna Cebel, especialista do Programa Pleno, cita a BNCC para ressaltar que é papel da escola o desenvolvimento integral de seus alunos. “O projeto de vida contribui fortemente para essa formação integral, porque abarca diversas dimensões do ser humano, como os seus desejos, valores, inserção social e escolha profissional”.

Para o fundador do SAS, Ari de Sá Neto, esse é um passo rumo ao objetivo da plataforma de educação de buscar o protagonismo na evolução da forma de ensinar e aprender. “Precisamos adicionar à nossa evolução uma pauta muito forte de habilidades socioemocionais, afinal, se, como líderes, somos cobrados por empatia, comunicação transparente, resiliência e disciplina para enfrentar os desafios da crise, por que não estimular, também, essas habilidades socioemocionais em nossos alunos?”, reflete.

Mais detalhes sobre a solução para o projeto de vida serão divulgados em breve pelo SAS.

Sobre o SAS Plataforma de Educação

O SAS é uma Plataforma de Educação que desenvolve conteúdo, tecnologia e serviços para mais de 860 escolas em todo o Brasil.

Publicidade:
Anterior ENXAGUANTE BUCAL DIMINUI CARGA VIRAL DA COVID-19; DENTISTA ENSINA COMO USAR O PRODUTO CORRETAMENTE 
Próxima THAILA AYALA, WERNER SCHÜNEMANN E LUDMILLA PARTICIPAM DO LONGA "MOSCOW"