POLUIÇÃO: O SEGUNDO INIMIGO INVISÍVEL A SER COMBATIDO


A propagação do coronavírus trouxe à tona um inimigo invisível letal. Mas uma segunda ameaça, muitas vezes impossível de ser vista à olho nu, tem consequências tão graves quanto as de uma pandemia.

A poluição emitida diariamente pelos carros, ônibus e caminhões mata anualmente 7 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com a meteorologista da Climatempo, Josélia Pegorim, parece controverso, mas a poeira da poluição em suspensão serve de embrião para formar as gotas de chuva. “As gotículas de vapor de água se depositam sobre os grãos de poeira, de areia ou de sal, no caso de nuvens que se formam no mar, e isto permite a formação e crescimento mais rápido das gotas de chuva”.

Josélia lembra ainda que o que acontece em um lugar pode afetar outro, mesmo que ele esteja localizado em um lugar distante do globo. “Há estudos que provam que os grãos de areia que saem do deserto do Saara, e viajam com os ventos da altas camadas da atmosfera, chegam sobre a Amazônia e ajudam a formar as nuvens de chuva por lá.

Além disso, conforme explica, o nascer e pôr do sol que temos em alguns dias, com cores avermelhadas que enchem os olhos, são resultantes da interação da luz do sol com o ar mais carregado de poluição que fica na parte baixa da atmosfera.”

Poluição mata

Isso pode até soar bom de alguma forma, não fosse o fato de que no Brasil são registradas 2.500 mortes prematuras anuais, conforme dados do International Council on Clean Transportation (ICCT), em razão da poluição. Os danos à saúde são irreversíveis. Não há beleza que traga de volta alguém que se foi por respirar um ar sujo.

Não é novidade que a qualidade do ar que respiramos tem impactos diretos na nossa saúde. Nem que os veículos que nos transportam de um lugar para o outro nas cidades são os maiores emissores de poluentes na atmosfera. No Brasil, a maior parte municípios ultrapassa os limites de poluição recomendados pela Organização Mundial da Saúde e essa é causa de não só milhares de mortes prematuras, mas agravante para diversas doenças respiratórias, como a própria covid-19. Alguns estudos chegam a afirmar que a taxa de letalidade da doença causada pelo novo coronavírus é maior entre as populações mais expostas a esses poluentes.

Evitar, trocar, melhorar

Entre os especialistas no assunto, três grandes estratégias são a chave para reduzir as emissões e, consequentemente, melhorar a qualidade do ar. Elas são representadas pela sigla ASI, do inglês: Avoid (evitar), Shift (trocar) e Improve (melhorar). Em resumo, o que eles querem dizer com isso é que precisamos mudar a forma como nos locomovemos – optando por bicicletas ou transporte público, por exemplo – e melhorar os nossos veículos, tornando-os menos poluentes. Nesse sentido, a regulação tem um papel importante, pois é ela que orienta as mudanças na indústria e, consequentemente, os nossos hábitos de consumo.

Mudanças nas normas

As atuais normas asseguram que poderemos respirar melhor a partir de 2022, prazo para entrar em vigor a próxima fase do Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), que exige melhorias no padrão de emissão dos veículos pesados, os que mais poluem. Passar para essa fase – chamada de P-8 e equivalente ao padrão internacional Euro VI – é urgente porque já estamos atrasados em relação aos principais mercados de automóveis do mundo. E, claro, porque a poluição afeta diretamente a saúde de todos e ainda modifica o clima do planeta.

Apesar disso, alguns representantes da indústria automobilística fazem pressão para adiar o prazo previamente acordado entre as empresas montadoras e o Governo Federal, argumentando que a crise provocada pela pandemia tem impactado o setor. Como isso te afeta? De várias formas.

Cada dólar investido nessa tecnologia geraria 11 dólares de benefícios, contabilizados a partir da redução dos gastos com saúde pública. A estimativa é do ICCT (por nome completo), uma organização que fornece análises técnicas e científicas aos reguladores ambientais. Além disso, os efeitos à saúde não duram apenas três anos do adiamento, que é o pedido das montadoras, mas mais de 30 anos – tempo de vida útil de um caminhão – com veículos de tecnologia defasada circulando nesse tempo todo.

Ainda conforme a organização, os veículos pesados (caminhões e ônibus) representam 5% da frota brasileira, mas, por poluírem mais e percorrerem distância maiores, são responsáveis por mais de 80% das emissões de partículas poluentes no país. A expectativa é que a nova frota exigida pela regulação consiga reduzir essas emissões em 90%. Bom para a qualidade do ar, para a saúde pública brasileira e para o clima.

São Paulo na mira

O estado de São Paulo concentra pelo menos 40% das frotas de veículos do país e também é onde ficam grandes centros urbanos, com índices de poluição do ar preocupantes. A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) é a agência do Governo do Estado responsável pelo controle, fiscalização monitoramento e licenciamento de atividades que afetam o meio ambiente. O órgão, que faz parte do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), responsável por decidir ou não pelo adiamento do Proconve, vê com preocupação o pedido das montadoras.

Para o gerente da Divisão de Emissões Veiculares do órgão, Vanderlei Borsari, a decisão de manutenção do prazo do programa federal precisa passar pelo Conama. “Nenhum pedido pode ser unilateral. É preciso ver o que é que a sociedade inteira, através dos seus representantes, pensa à respeito disso”, avalia.

Vanderlei também lembra que já estamos com praticamente dez anos de defasagem da implantação na Europa e Estados Unidos e que a nova fase do Proconve representa um avanço muito grande no controle dos dois poluentes mais emitidos por motores diesel: óxidos de nitrogênio (NOx) e material particulado. A pedido do Ministério Público Federal, a CETESB deve divulgar um documento oficial com detalhes técnicos sobre o Proconve nos próximos dias.

Os pulmões dos paulistas e de todos brasileiros dependem dessa resposta. Mas não só. Em geral, outros órgãos estaduais tendem a seguir as diretrizes da CETESB. Com pôr do sol ou sem, com chuva ou sem ela, a saúde de todos os brasileiros pode ser influenciada por essa decisão.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.
Publicidade:
Anterior ESTRESSE AUMENTA RISCO DE DESENVOLVER OLHO SECO, MOSTRA ESTUDO
Próxima PAT DE GUAÍRA DIVULGA 43 VAGAS DE EMPREGO