CUIDADOS COM OS OLHOS NO INVERNO

Temperaturas baixas e clima seco requer atenção, pois os olhos estão expostos a doenças oculares

Ah o friozinho, com ele vem os agasalhos, hidratação da pele e os cuidados oculares para manter a visão em dia. Haja visto que, o período vem acompanhado com tempo mais seco, sendo necessário piscar corretamente os olhos para sua melhor lubrificação. Vermelhidão, coceira e lacrimejamento pode aparecer nessa época do ano.

A médica Oftalmologista Dra. Márcia Godoy explica que os olhos ficam mais vulneráveis às doenças, tais como: alérgica, que pode evoluir para viral ou bacteriana, síndrome do olho seco e outras reações alérgicas (como olhos vermelhos, lacrimejamento, ardência, coceira, fotofobia e irritação). “Além de maior concentração de poluente, fumaça e correntes de ar, a lubrificação natural dos olhos também diminui em decorrência da evaporação da camada aquosa lacrimal”, detalha.

De acordo com a especialista, por isso é necessário o cuidado adequado para evitar desconforto e até o contágio de doenças. “Quando recomendado pelo oftalmologista, o uso de colírios tem o papel de hidratar, fazendo o papel da lágrima, ou em casos de irritação, tratar inflamações oculares”, ressalta Godoy. Para prevenir quadros de alergia, é importante evitar objetos que acumulem poeira, como tapetes, brinquedos de pelúcia, cobertores que estão a algum tempo guardado. Evite também expor a fumaça, alérgenos, pólen e pelos de animais.

Corpo Clínico

DRA. MÁRCIA MOREIRA GODOY
Oftalmologista, responsável pelo departamento de Retina e Vítreo da Auge Oftalmologia. Formada em Medicina pela Faculdade de Medicina de Petrópolis – RJ.
Residência Médica em Oftalmologia Geral pelo MEC.
Observer Doctor pelo “Julies Stein Eye Institute – UCLA (Universidade da Califórnia) Fellow Ship em Retina e Vítreo no Hospital São Geraldo da UFMG.
Membro da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo.

Publicidade:
Anterior PRORROGADO: SERASA ESTENDE PRAZO PARA QUITAR DÍVIDAS POR R$100 ATÉ 8 DE SETEMBRO
Próxima PESQUISAS APONTAM OBESIDADE COMO FATOR DE RISCO PARA COVID-19