JOELHO EXIGE ATENÇÃO ESPECIAL NA RETOMADA DE EXERCÍCIOS

Especialista do Hospital Santa Paula fala sobre cirurgias ortopédicas mais comuns e quem são os mais afetados

São Paulo, setembro de 2020 – Com a flexibilização das medidas de isolamento, muitas pessoas começam a retomar a prática de exercícios. No entanto, depois de passar meses com pouca ou nenhuma atividade física, uma das partes do corpo que exige mais atenção é o joelho. Essa é uma articulação formada por músculos e ligamentos importantes, sendo responsável por muitos dos movimentos que realizamos no dia a dia e ainda por sustentar o peso de todo o corpo.

Dr. Gilberto Anauate, coordenador do serviço de ortopedia e traumatologia do Hospital Santa Paula, explica que a maior parte das cirurgias realizadas no joelho são resultado de traumas, como batidas ou torções. “São lesões muito comuns em pessoas mais jovens, que realizam atividades físicas mais intensas. Acontecem muitas vezes em atletas, sejam eles profissionais ou amadores”.

Para o ortopedista, os competidores de fim de semana são os que mais sofrem com problemas no joelho que precisam de procedimentos cirúrgicos para correção. Por isso, o retorno aos exercícios após meses de sedentarismo precisa ser feito com mais cuidado. Segundo o especialista, os casos traumas no joelho causados por atividades de diversão já voltaram a aumentar nos consultórios.

As lesões podem acontecer em uma queda ou durante uma rotação do corpo em sentido contrário ao joelho, e pode ocorrer durante a prática de esportes, dança ou mesmo em atividades cotidianas. Em esportes coletivos, existem também o risco de choques entre competidores.

A maior parte das cirurgias no joelho são feitas por artroscopia, realizada por meio de três ou quatro pequenas incisões. Esse procedimento dispensa a necessidade de incisões maiores e torna a recuperação mais simples e rápida.

Nos últimos 18 meses, do total de 2.726 cirurgias ortopédicas realizadas no Hospital Santa Paula, cerca de 20% foram de procedimentos no joelho. As mais comuns são reconstruções, retencionamentos ou reforços do ligamento cruzado anterior ou posterior (ligamentos que unem o fêmur à tíbia, dois maiores ossos da perna) e as meniscectomias, para corrigir problemas no menisco (estrutura fibrocartilaginosa localizada dentro do joelho que tem a função de amortecer os impactos).

Anauate aponta que os quadros mais graves são aqueles em que acontece uma lesão do ligamento. Nesses casos, a cirurgia é mais delicada e mais demorada, e a recuperação pode ser mais longa.

Para tentar reduzir os riscos de problemas que podem afetar os joelhos, o ortopedista explica que é importante fortalecer a musculatura tanto do joelho quando das coxas. Dessa forma, o joelho sofre menos impacto nas situações do cotidiano e, quando eles acontecem, as lesões tendem a ser menos graves.

Sobre o Hospital Santa Paula 

O Hospital Santa Paula é um centro de excelência em saúde localizado na zona sul de São Paulo. Pertence à Rede Ímpar, que congrega 7 hospitais nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal e que se uniu à DASA, líder em medicina diagnóstica no Brasil, com mais de 30 marcas de laboratórios no País e GSC Integradora de Saúde.

Inaugurado em 1958, tem como foco a alta complexidade, atuando em mais de 30 especialidades médicas, com destaque para Oncologia, Cardiologia, Neurologia e Ortopedia.

 

Com uma área de 18 mil metros quadrados, dividida em três edifícios, possui 200 leitos, sendo 50 deles destinados especificamente à Terapia Intensiva. Além disso, dispõe de Centro Cirúrgico com nove 9 salas de cirurgia e dez leitos de recuperação anestésica. Anualmente, realiza 9 mil procedimentos cirúrgicos, 14 mil internações e atende aproximadamente 100 mil pacientes no Pronto Atendimento. Conta com mais de 1,2 mil colaboradores diretos e indiretos e possui em seu corpo clínico 2,4 mil médicos cadastrados.

 

Em 2012 conquistou a certificação Joint Commission International (JCI) e em 2014 conquistou certificação JCI para tratamento de AVC. Em 2018, obteve o Selo Pleno do Hospital Amigo do Idoso, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Naquele mesmo ano, recebeu a Certificação Internacional da Healthcare Information and Management Systems Society (HIMSS) estágio 7 (grau máximo), uma das associações internacionais de maior prestígio mundial no setor de saúde. A instituição foi a primeira de São Paulo a conquistar o nível máximo da EMRAM – Electronic Medical Record Adoption Model -, se consolidando como hospital totalmente digital (paperless).

Publicidade:
Anterior LAVITAN SONUS AJUDA A MELHORAR INSÔNIA, ESTRESSE E DEPRESSÃO
Próxima GUAÍRA: Boletim Municipal de Combate ao Coronavírus (COVID-19)