Buraco de ozônio na Antártica é um dos maiores dos últimos anos


O buraco na camada de ozônio que ocorre anualmente na Antártica é um dos maiores e mais profundos dos últimos anos. As análises mostram que o furo atingiu seu tamanho máximo.

Em 2020, o buraco cresceu rapidamente a partir da metade de agosto e chegou em torno de 24 milhões de metros quadrados no começo de outubro. Ele cobre agora 23 milhões de km² acima da média da última década, e se espalha por quase todo o continente Antártico.

O programa Global Atmosphere Watch (Observador da Atmosfera Global), da OMM, trabalha em estreita colaboração com o Copernicus Atmospheric Monitoring Service (Serviço de Monitoramento Atmosférico Copernicus), NASA, Environment and Climate Change Canada (Meio Ambiente e Mudanças Climáticas Canadá) e outros parceiros para monitorar a camada de ozônio da Terra, que nos protege dos nocivos raios ultravioleta do sol.

O Ozone Watch da NASA relata um valor mais baixo, de 95 unidades Dobson registrado em 1º de outubro. Os cientistas estão vendo sinais de que o buraco de ozônio de 2020 agora parece ter atingido sua extensão máxima.

“Há uma grande variabilidade em até que ponto os eventos de buraco de ozônio se desenvolvem a cada ano. O buraco de ozônio de 2020 se assemelha ao de 2018, que também era um buraco muito grande, e é definitivamente um dos maiores dos últimos quinze anos ou mais, Vincent-Henri Peuch, Diretor do Serviço de Monitoramento da Atmosfera Copernicus na ECMWF , disse em um comunicado à imprensa.

“Com a luz do sol voltando ao Pólo Sul nas últimas semanas, vimos a destruição contínua da camada de ozônio na área. Após o buraco na camada de ozônio incomumente pequeno e de curta duração em 2019, que foi causado por condições meteorológicas especiais, estamos registrando um muito grande novamente este ano, o que confirma que precisamos continuar a aplicar o Protocolo de Montreal que proíbe as emissões de produtos químicos que destroem a camada de ozônio.”

O Protocolo de Montreal proíbe as emissões de produtos químicos que destroem a camada de ozônio. Desde a proibição dos halocarbonos, a camada de ozônio tem se recuperado lentamente; os dados claramente mostram uma tendência de diminuição da área do buraco de ozônio.

A última Avaliação Científica do Programa Ambiental da Destruição do Ozônio, da OMM/ONU, publicada em 2018, concluiu que a camada de ozônio está no caminho da recuperação e do potencial retorno dos valores do ozônio sobre a Antártica aos níveis pré-1980, até 2060.

O grande buraco de ozônio em 2020 foi impulsionado por um vórtice polar forte, estável e frio, que manteve a temperatura da camada de ozônio sobre a Antártica consistentemente fria.

A redução do ozônio está diretamente relacionada à temperatura na estratosfera, que é a camada da atmosfera entre cerca de 10 km e 50 km de altitude. Isso ocorre porque as nuvens estratosféricas polares, que têm um papel importante na destruição química do ozônio, só se formam em temperaturas abaixo de -78 °C.

Essas nuvens estratosféricas polares contêm cristais de gelo que podem transformar compostos não reativos em reativos, que podem então destruir rapidamente o ozônio, assim que a luz do sol se tornar disponível para iniciar as reações químicas. Essa dependência das nuvens estratosféricas polares e da radiação solar é a principal razão pela qual o buraco na camada de ozônio só é visto no final do inverno/início da primavera.

Foi observado que as concentrações de ozônio estratosférico reduziram a valores próximos de zero na Antártica (em torno de 20 a 25 km de altitude/50-100hPa), com a profundidade da camada de ozônio chegando logo abaixo de 100 unidades Dobson, cerca de um terço de seu valor típico fora de eventos de buraco de ozônio.

Durante a temporada de primavera do hemisfério Sul, o buraco de ozônio na Antártica aumenta de tamanho, atingindo um máximo entre meados de setembro e meados de outubro. Quando as altas temperaturas na atmosfera (estratosfera) começam a subir no final da primavera do hemisfério Sul, a redução da camada de ozônio diminui, o vórtice polar enfraquece e finalmente se quebra, e no final de dezembro os níveis de ozônio voltaram ao normal.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.

Publicidade:
Anterior Falta troco no seu estabelecimento? Veja 3 dicas para coletar cédulas e moedas
Próxima Sintomas da endometriose podem surgir antes dos 15 anos de idade