Especialista explica como a arquitetura pode ser mais amigável para animais de estimação

Ambientes podem ser pensados para o conforto dos moradores e de seus pets 

 

A presença de animais domésticos é notada nas áreas de arquitetura e design para repensar os ambientes, oferecendo mais conforto e integração entre as pessoas e seus animais de estimação. As ideias principais desse conceito passam por investir em materiais resistentes, fazer escolhas inteligentes de projeto e aliar os itens de necessidade dos pets com o layout do projeto.

A arquiteta Cinthia Garcia explica por que os ambientes pet friendly ganham mais espaço na arquitetura.

“Os projetos buscam sempre alcançar as aspirações dos clientes. Pensamos nos melhores espaços para toda a família e isso inclui os animais de estimação. Então as possibilidades desse segmento vão crescendo com o tempo para melhorar a qualidade de vida dos animais também”, conta a especialista.

O ponto mais importante está na escolha dos materiais, buscando as opções mais resistentes e que facilitem a limpeza. “Optamos entre os pisos vinílicos e os porcelanatos, assim como os revestimentos que precisam ser repensados para que o piso não absorva ou retenha a sujeira. As tintas precisam ser livres de insumos potencialmente tóxicos e o layout geral do projeto incluir um espaço mais livre de obstáculos”, detalha Cinthia.

 

As escolhas de mobiliário são definitivas para o sucesso de um projeto pet friendly.

“Primeiro pensamos na durabilidade dos móveis nos ambientes com animais, tecidos que não juntam pelos e são à prova de água são ótimas escolhas, assim como as bases de sofás e cadeiras de metal vão evitar que os animais fiquem roendo e arranhando os móveis.

Também existem móveis preparados para oferecer soluções como caminhas e suportes para potes de ração e água integrados”, relata a arquiteta.

Uma casa pet friendly também é uma casa que estimula uma vida ativa dos moradores, inclusive os de quatro patas.

“Se quando falamos de um escritório buscamos incentivar a produtividade, quando pensamos nos animais não é diferente, o layout precisa oferecer os estímulos para viver bem e de acordo com seus instintos aliados ao cotidiano dos moradores. O espaço do pet com arranhadores e brinquedos pode ser integrado ao ambiente com uma estética sutil para oferecer esse espaço sem afetar o visual drasticamente.” Encerra Cinthia.

Instagram: @arquitetacinthiagarcia

Publicidade:
Anterior ViajaNet lança campanha de Black Friday com combo de dois destinos em apenas uma compra 
Próxima Capitalismo consciente: como ter sucesso e bem estar ao mesmo tempo