Ergonomia é aliada do bem-estar de colaboradores e empresas do segmento laboratorial


Manter os instrumentos de trabalho próximos para não estender demais os braços, estabelecer uma posição postural neutra. Muitos conselhos de ergonomia parecem iguais mas eles vão muito além da “cadeira ergonomicamente projetada”.

Apesar de quase sempre pensarmos em ambientes de escritórios corporativos, práticas ergonômicas também se aplicam em outros ambientes, como por exemplo em laboratórios. No inicio da década de 1970, a Eppendorf – empresa alemã de biotecnologia com foco em Life Science – começou a otimizar a ergonomia em seus laboratórios.

Em 2003, foi lançado o PhysioCare Concept, que tinha como foco dispositivos de manuseio de líquidos, como pipetas. Hoje, o conceito já é uma realidade que cobre todo o portfólio de produtos da empresa e, foi desenvolvido, para garantir que o fluxo de trabalho em laboratório esteja em harmonia com a saúde e bem-estar dos profissionais.

Ninguém quer gastar mais força do que o necessário para abrir e fechar um tubo, manusear uma tampa de centrífuga ou reorganizar a plataforma dentro de um agitador. Para isso, foram desenvolvidos conceitos no design do produto para por exemplo, para promover menos tensão nos dedos e braços.

“Os produtos com os quais o colaborador do laboratório trabalha têm uma influência direta sobre sua saúde. Uma grande quantidade de força necessária para operar uma pipeta ou um dispositivo pode se tornar fisicamente e mentalmente estressante. Tal fadiga durante o trabalho diário deve ser evitada, através da seleção de produtos ergonomicamente projetados”, avalia Luiza Mimura, especialista de produtos da Eppendorf no Brasil.

A disposição de equipamentos e acessórios no local de trabalho é crucial para um fluxo de tarefa projetada ergonomicamente. Caminhos e movimentos desnecessários devem ser evitados, levando em consideração as recomendações gerais das BPL (Boas Práticas de Laboratório). Isso também inclui a interação entre os vários processos e a documentação dos resultados.

A especialista de produtos da Eppendorf aponta alguns benefícios para a prática de trabalho saudável nos laboratórios:

• Dispositivos maiores, que são usados ​​por mais de uma pessoa devem ser colocados em um local central no laboratório que seja facilmente acessível.

• Pipetas também devem ser colocadas ao alcance direto e sem objetos que dificultem o acesso, elas serão utilizadas muitas vezes durante os experimentos ou analises.

• Equipamentos com baixo nível de ruído diminuem o cansaço mental.

Sobre a Eppendorf – Fundada em 1945, em Hamburgo, a Eppendorf possui fábricas nos Estados Unidos e Europa. Conta ainda com mais de 26 subsidiárias em diferentes países. Seu escritório no Brasil opera há 20 anos, atendendo aos mercados brasileiro e latino-americano. A empresa também é pioneira no desenvolvimento e comercialização de instrumentos, desde a década de 1960, com o lançamento da primeira centrífuga com sistema de medição em microlitros no mercado, incluindo microecentrífugas, microtubos, entre outros produtos, revolucionando a investigação em biociência em todo o mundo.

Anterior Accenture e Gama Academy abrem 60 vagas para capacitação de programadores
Próxima RIVER PLATE x PALMEIRAS (LIBERTADORES): ONDE ASSISTIR AO VIVO E ON-LINE