O que muda no atendimento odontológico após os 80?

Cuidados especiais ajudam a manter a saúde bucal na velhice

O atendimento aos idosos no consultório odontológico tem ganhado cada vez mais atenção e cuidados específicos que garantem segurança e conforto para esse público que também precisa cuidar da saúde bucal.

Para aqueles que têm mais de 80 anos – os novos 70 – a recomendação é estar atento e confiar no profissional para que tudo corra bem. Um atendimento realizado de forma atenciosa faz com que o paciente se sinta bem e volte sempre para a manutenção.

A cirurgiã-dentista Denise Tibério, presidente da Câmara Técnica de Odontogeriatria do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP), ressalta que quanto mais avançada a idade, maior o risco de uma intercorrência no consultório. “O profissional deve se preocupar em ter uma boa anamnese, somada a exames físicos e clínicos que devem ser replicados e comparados a cada consulta”, avalia.

Para um tratamento com o odontogeriatra existem cuidados específicos quanto ao exame físico realizado com paciente dessa faixa etária, como o controle da pressão arterial durante o procedimento odontológico. “Não se pode comparar um idoso ao outro, por isso é importante utilizar conhecimentos, materiais, tecnologia e tudo o que for preciso para atender da melhor forma o paciente com mais de 80 anos”, frisa a cirurgiã-dentista.

A saúde bucal após os 80

Sobre a importância de cuidar dos dentes ou próteses depois dos 80 anos de idade, Denise Tibério lembra que a manutenção da saúde bucal deve ser feita durante a vida toda, não somente no último ciclo vital.

“Porém, às vezes, a falta de cuidado ao longo da vida compromete a mastigação, a fonação e a digestão, principalmente quando estamos falando de prótese total”.

Outro ponto de atenção é a saliva, que tem um papel importante na manutenção da saúde oral. Muitas medicações diminuem o fluxo salivar, por isso é recomendado o acompanhamento de um profissional de Odontologia capacitado, que possui estratégias para suprir essa situação.

Atualmente, muitos idosos chegam aos 80 anos com seus dentes permanentes, porém, a falta de prevenção em idades mais jovens faz com que apareçam doenças gengivais. De acordo com a integrante do CROSP, se o idoso foi um jovem preocupado com a saúde bucal, o mesmo tende a continuar se cuidando na velhice. Mas, existem muitos idosos que, por estarem com a destreza e a visão comprometidas, deixam a desejar na higiene e na manutenção da boca.

“Outra situação são os idosos que, nessa faixa etária, dependem de cuidadores ou possuem algum comprometimento neurológico. Nesses casos, é importante orientação e atendimento odontológico domiciliar para uma manutenção com maior frequência. A infecção da boca pode levar à exacerbação de déficits cognitivos, pneumonia aspirativa, entre outras complicações”, explica Denise.

Avanços no atendimento

A Odontogeriatria, apesar de ser uma especialidade nova no país, existe e está preparada para orientar e executar os procedimentos com segurança e traçar o planejamento que melhor se adequa à necessidade do paciente.

Hoje, também já existem arquitetos especialistas em gerontologia. Um profissional que entende o envelhecimento e planeja adequações, por exemplo, na altura das cadeiras, iluminação, cores, disposição de móveis e o que mais for necessário para uma consulta confortável e sem riscos.

Os cuidados, segundo Denise, devem ir além do consultório. “Para que o trabalho seja efetivo, há a necessidade de manutenção com o profissional e uma adequada higiene em casa, que também é específica conforme cada situação e momento, devendo ser orientada por profissional qualificado. Só através dessa parceria, a saúde bucal será mantida”.

Por fim, a cirurgiã-dentista reforça que é preciso ter em mente que a boca faz parte do corpo e, para que este esteja em equilíbrio, ela deve estar sempre saudável.

Sobre o CRO-SP
O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP) é uma autarquia federal dotada de personalidade jurídica e de direito público com a finalidade de fiscalizar e supervisionar a ética profissional em todo o Estado de São Paulo, cabendo-lhe zelar pelo perfeito desempenho ético da Odontologia e pelo prestígio e bom conceito da profissão e dos que a exercem legalmente. Hoje, o CROSP conta com mais de 145 mil profissionais inscritos. Além dos cirurgiões-dentistas, o CROSP detém competência também para fiscalizar o exercício profissional e a conduta ética dos Técnicos em Prótese Dentária, Técnicos em Saúde Bucal, Auxiliares em Saúde Bucal e Auxiliares em Prótese Dentária. Mais informações: www.crosp.org.br

Anterior Colocar lente de contato dental estraga os dentes? Principais verdades e mitos
Próxima NOVAS VAGAS DE EMPREGO EM GUAÍRA/SP (5 DE MAIO/2021)