Burnout parental: como ajudar os pais a lidar com essa síndrome?


A síndrome de Burnout está mais associada à exaustão no trabalho, porém, uma de suas variantes é o Burnout parental, que aumentou durante a pandemia de Covid-19 devido a mudanças no modo de trabalhar. Essa condição é caracterizada por um cansaço extremo que compromete o estado emocional e físico dos pais e afeta as relações com os filhos.

Nesse contexto, a Dra. Luciana Mancini Bari, médica do Hospital Santa Mônica, irá falar sobre o Burnout parental e apresentar suas causas e os principais sintomas. Veja, ainda, como é possível lidar com o problema e quais são as opções de tratamento para reduzir os seus efeitos sobre a rotina dos pais e a saúde mental da criança.

O que é Burnout parental?

Devido às suas particularidades e diferentes formas de manifestação, não se pode afirmar que essa seja uma condição relacionada apenas ao trabalho. Mesmo que o Burnout clássico seja ligado ao estresse crônico e duradouro, a síndrome com características parentais é um fenômeno diferenciado.

Por isso, é necessário considerar que as atividades que provocam respostas estressantes e frequentes podem contribuir para o desenvolvimento de Burnout parental. Esse quadro se estabelece quando os pais apresentam um esgotamento mental associado a queixas de doenças físicas que, muitas vezes, são de origem psicossomática.

Anteriormente, o Burnout parental era mais comum em mulheres no pós-parto. Tais quadros costumam surgir associados às questões de insegurança resultante dessa fase repleta de medos e desafios. Os maiores fatores de influência incluem as alterações hormonais, a recuperação do pós-parto e a preocupação a respeito do cuidado com o bebê.

Hoje, porém, esse tipo de síndrome acomete mulheres e homens, sobretudo quem cultiva a autocobrança. Com isso, vale destacar que o diagnóstico de Burnout parental nem sempre pode ser visto como sinônimo de pais ruins ou ausentes. Por isso, a recomendação é buscar ajuda psicoterapêutica para avaliar o caso e propor soluções.

Quais são os principais sintomas do Burnout parental?

Diante das mudanças no estilo de vida moderno, as relações familiares foram naturalmente prejudicadas. Fatores ligados às responsabilidades na manutenção da casa e às cobranças no trabalho aumentam a pressão sobre os pais.

Quando combinados com a falta de tempo para a família, principalmente para dedicar atenção aos filhos, a tendência é o surgimento de problemas emocionais. Isso torna a relação familiar cada vez mais desafiadora, já que as crianças de hoje são exigentes e têm maior autonomia desenvolvida.

Nesse contexto, listamos os sintomas mais comuns que acometem os pais com a síndrome de Burnout parental. Observe:

  • sentimento de culpa por não conseguir solucionar tais problemas de forma pacífica;
  • cobranças pessoais e profissionais excessivas;
  • incapacidade de realizar autogestão emocional;
  • sentimento de ineficiência no papel de pais;
  • distanciamento emocional dos filhos;
  • queda de produtividade no trabalho;
  • isolamento ou fuga do problema;
  • falta de concentração;
  • irritabilidade;
  • apatia.

Qual é a relação dessa síndrome com outros tipos de transtornos?

Quando a autocobrança sobre os cuidados com os filhos gera situações estressantes e conflitos frequentes, há o maior risco de desenvolver doenças emocionais. Atualmente, a necessidade de adequação ao estilo de vida das grandes cidades pode contribuir para piorar os sintomas do Burnout parental.

Por isso, é necessário cuidar da saúde mental para não abrir espaço para o surgimento de outros quadros que colocam em risco a estabilidade psíquica. Entre as complicações mais comuns, destacam-se as seguintes:

  • crises depressivas;
  • transtorno de pânico;
  • estresse generalizado;
  • transtornos de ansiedade generalizada;
  • tendência ao desenvolvimento de doenças psicossomáticas e autoimunes.

Quais são as consequências do Burnout parental?

Dados de um estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa de Ciências Psicológicas da Universidade Católica da Bélgica apontaram algumas das principais consequências dessa síndrome. De acordo com sensações apresentadas pelos participantes, as mais comuns são:

  • exaustão emocional (30%);
  • distanciamento emocional (30%);
  • perda de realização do papel de pais (24%);
  • incapacidade de contornar a situação (16%).

Isso comprova que os pais com essa síndrome têm mais dificuldade para lidar com os filhos, principalmente pelos efeitos da quarentena neste cenário de pandemia. Por conta disso, surgem distúrbios do sono, alterações no comportamento e tendências ao consumo de drogas e ao alcoolismo.

Como ajudar os pais que se encontram nessa situação?

De modo geral, os sintomas mais observados pelo Burnout parental estão relacionados ao cansaço mental e emocional resultante do acúmulo de tarefas, inclusive no papel parental. No entanto, esse quadro pode se agravar quando os pais sentem que as relações com os filhos exigem um comprometimento que eles não conseguem oferecer.

Nesses casos, o ideal é procurar alternativas que possam contornar tais situações. Destacamos algumas sugestões que podem ajudar. Confira!

Priorize o autocuidado
Para começar, a primeira dica é priorizar o autocuidado. Portanto, procure estabelecer prioridades e conciliar todas as atividades da vida pessoal e profissional. Com calma, é possível reorganizar a agenda e reservar um tempo para cuidar de si, sobretudo no que se refere à saúde emocional.

Ajuste a rotina
Alguns ajustes na rotina também podem ajudar nesse processo de busca pelo equilíbrio mental e emocional. Analise o seu dia a dia e veja o que pode ser mudado para que você tenha mais tempo de qualidade em família. Uma dica é alternar as atividades e diminuir o uso de tecnologia, de modo que a relação entre crianças e eletrônicos seja positiva.

Compartilhe responsabilidades
Construa redes de apoio e distribua as tarefas e responsabilidades. Durante o isolamento social, evite que a situação vá até o limite da exaustão. Para isso, a orientação é compartilhar os momentos difíceis com a família ou com os amigos. Peça ajuda aos irmãos, tios ou pessoas próximas, se necessário.

Busque ajuda profissional
Por fim, vale destacar as alternativas disponíveis para o tratamento desse quadro. Assim como todas as questões que envolvem a saúde mental, o ideal é contar com uma instituição especializada e que tenha profissionais capacitados e experientes.

Como você percebeu, os principais sintomas do Burnout parental estão associados à exaustão física e mental. Nessas condições, a busca de ajuda profissional pode ser a solução mais indicada para a recuperação da saúde emocional e da qualidade de vida.

Anterior GUAÍRA: SEGUE A VACINAÇÃO CONTRA O COVID-19 PARA PESSOAS DE 54 A 57 ANOS
Próxima Cada vez mais as famílias saem das grandes cidades e partem rumo ao interior