Empresas se preparam para escassez de profissionais de TI

Segundo especialista, solução de curto prazo tem sido investir em plataformas Low-code e No-code
Com o avanço da digitalização entre as empresas, a expectativa era de que o número de profissionais de áreas como desenvolvimento e infraestrutura de TI se multiplicasse. Mas, na prática, parece haver um descompasso entre a oferta e a demanda de funcionários que atuam nesses campos. Segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), serão necessários cerca de 430 mil novos profissionais de TI até 2024. No entanto, apenas 46 mil se formam todos os anos, em média.

Leonardo Carvalho é coordenador dos MBA’s em Gerenciamento Ágil de Projetos e Gerenciamento de Negócios no Centro Universitário Newton Paiva. Segundo ele, a maioria das empresas estão cientes e se movimentam para contornar essa escassez de profissionais.
“Uma possível solução é identificar a necessidade previamente e monitorar sua variação para investir em capacitação dos talentos internos. Estratégia que já está sendo posta em prática por muitas organizações atualmente”, avalia.

A dificuldade para encontrar mão de obra qualificada já começa a refletir na remuneração dos profissionais. Segundo um levantamento da startup de recrutamento Revelo, houve um crescimento de aproximadamente 55% na média salarial dos profissionais de TI que atuam nas grandes capitais brasileiras, como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, entre setembro de 2020 e fevereiro de 2021. Segundo a pesquisa, o salário base, que era de R﹩ 6.020,41, saltou para R﹩ 9.364,21 em apenas 5 meses.

Plataformas Low-code e No-code

Apesar de ser uma forma de adequar a oferta de mão de obra em relação à demanda, a formação dos profissionais da área é uma estratégia de longo prazo. Uma solução imediata tem sido a utilização de plataformas No-code e Low-code. Segundo o relatório “Forecast Analysis: Low-code Development Technologies”, do Gartner, o mercado mundial desse tipo de tecnologia deve movimentar US﹩ 13,8 bilhões em 2021. Este número representa um aumento de 22,6% em relação ao ano anterior.

“Tratam-se de plataformas estruturadas, que utilizam pouca ou nenhuma codificação para construção de aplicações . A grande vantagem é que elas empoderam profissionais de outras áreas para atuarem como técnicos. São plataformas que têm evoluído muito para simplificar a criação de produtos digitais, demandando cada vez menos conhecimento profundo de programação para construção”, afirma o professor da Newton Paiva.

Cientes dessa demanda de mercado, existem especializações que já incluem tais habilidades em suas grades, como é o caso dos cursos de Gerenciamento Ágil de Projetos e Gerenciamento de Negócios, da Newton Paiva. Os MBA’s possuem disciplinas específicas de Transformação Digital que, segundo Leonardo, oferecem uma cobertura ampla das principais ferramentas Low-code e No-code.

Sobre o Centro Universitário Newton Paiva

Com 49 anos de história, três modernos complexos em Belo Horizonte (MG) e mais de 80% do corpo docente formado por mestres e doutores, a Newton está entre as principais instituições de ensino superior de Minas Gerais. A Newton oferece cursos de graduação, pós-graduação e a distância nas áreas de ciências exatas, tecnologia, saúde, comunicação, ciências sociais e direito, além de programas de iniciação científica e de extensão e cursos livres online e presenciais. Consagrada pela alta qualidade acadêmica e excelente infraestrutura, conta com avançados laboratórios, núcleos de prática em diversas áreas do conhecimento e centros de inovação como o Fab Lab Newton, CNE – Centro Newton de Empreendedorismo, CEJU – Centro de Exercício Jurídico, NPCont – Núcleo de Práticas Contábeis e o Smart Campus – primeiro campus inteligente do estado. Os estudantes dos cursos de saúde, por exemplo, contam com as clínicas-escolas de Odontologia, Psicologia, Fisioterapia, Enfermagem, Farmácia, Estética e a Clínica de Veterinária. Nesses espaços, orientados pelos professores, os estudantes aplicam na prática o conhecimento adquirido em sala de aula e prestam serviços para a população, e os alunos de Arquitetura e Urbanismo contam com o escritório-modelo, Studio N. Além da reconhecida qualidade de ensino e de privilegiar a prática, a Newton investe permanentemente no relacionamento com o mercado, firmando importantes parcerias para proporcionar a seus alunos as melhores perspectivas e oportunidades profissionais, incluindo convênios e acordos com instituições educacionais internacionais.

Como parte de seu compromisso de promover a reflexão e incentivar uma mudança de atitude com relação ao desenvolvimento sustentável, à consciência ambiental e ao consumo consciente, a Newton apoia e promove os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), uma agenda firmada em 2015 por 193 países junto à ONU, para acabar com a pobreza, lutar contra as desigualdades e a injustiça e combater as mudanças climáticas até 2030.

Anterior SIMULADORES CONTINUAM SENDO ESSENCIAIS PARA CONSCIENTIZAÇÃO DE CONDUTORES
Próxima Solução de limpeza natural é alternativa a produtos com substâncias tóxicas