Quais são os riscos da harmonização facial? Técnica faz mal para a saúde? Especialista explica

Procedimento estético exige que seja respeitado o tempo de aplicação do produto, caso contrário, pode provocar deformidades na face e complicações de saúde

 

A harmonização facial (conhecida popularmente como botox) é uma técnica de estética facial não cirúrgica que tem como objetivo proporcionar, como o próprio nome já diz, a harmonia e o equilíbrio estético em todo o rosto. A técnica também pode ser utilizada para paralisar as rugas dinâmicas da face.

Quando realizado por um profissional que segue à risca as recomendações, o botox é seguro e atinge os objetivos estéticos desejados. Embora seja uma condição rara, há pessoas que sofrem de alergia à toxina botulínica, portanto é necessário consultar o histórico de alergias antes. Todavia, quando não são respeitados os cuidados pós procedimento, o composto ativo do “botox” pode resultar em deformidades na face e reações alérgicas graves.

A especialista em estética e cosmetologia avançada UNIFESP Daniela Lópezexplica que aplicar mais toxina botulínica do que o recomendado e não respeitar o tempo de espera entre aplicações, são fatores que resultam em um procedimento estético mal sucedido: “é necessário respeitar um intervalo de pelo menos 4 meses para realizar a técnica. Caso contrário, a toxina botulínica irá causar reações adversas graves”, explica.

“Quando o produto é aplicado em excesso, o organismo da pessoa deixa de responder a ação do princípio ativo do procedimento estético. Outra questão essencial é escolher um profissional de confiança. Uma recomendação é optar por profissionais que são membros Sociedade Brasileira de Estética e Cosmetologia, pois dessa forma você terá certeza de que vai colocar a sua pele nas mãos de alguém com a formação adequada” orienta Daniela López, especialista em estética.

Os riscos de um procedimento realizado de forma incorreta são inúmeros: “há risco de ocasionar assimetria facial, deixar a boca da pessoa torta, provocar uma ptose ou até mesmo alterar as lateralidades da face de forma desarmônica. Muitas vezes, é necessário até mesmo o uso de corticóides para conter a reação alérgica” alerta Daniela López. Portanto, siga à risca as orientações dos profissionais de estética qualificados para alcançar o objetivo desejado e evitar problemas de saúde.

Sobre Daniela López

Daniela López é graduada em Estética e Cosmetologia pela Universidade Braz Cubas, técnica em Estética Facial e Corporal pelo SENAC e pós-graduada em Intradérmicos e Subcutâneos pela FAISP. Especialista em estética e cosmetologia avançada UNIFESP.

A cosmetóloga atua na causa de regulamentação da atuação de profissionais estéticos e cosmetólogos. É presidente da SindEstética e responsável pela criação do CBO 3221 para o setor frente ao Ministério do Trabalho e Emprego.

Da mesma forma, criou o CNAE – Classificação Nacional de Atividade Econômica 96025/02, no Ministério do Planejamento e Gestão,  juntamente com setor CONCLA coligação do IBGE, antes os profissionais eram subordinados a um CRM.

É autora do livro a História da Legislação da Estética e Cosmetologia no Brasil e pesquisadora no campo clínico, com práticas e testes desenvolvidos clinicamente in-vivo em pacientes para disfunções estéticas facial com ênfase em rejuvenescimento e retração tecidual. É fundadora da Escola Superior de Estética e Cosmetologia (ESEC), a primeira escola superior de estética e cosmetologia no Brasil.

Anterior Marketing Fake News; Saiba os riscos da estratégia já utilizada por Anitta e outros famosos
Próxima Atividade física após a gestação: prática beneficia recuperação do corpo e mente da mulher