Pular para o conteúdo

Senac Barretos

Volta às aulas: especialista destaca quais alimento colocar na lancheira das crianças

Confira seis dicas para montar uma lancheira saborosa e nutritiva

Férias, viagens e mudanças na rotina escolar. Durante este período é comum deixar os hábitos saudáveis de lado. Para as crianças, o momento de volta às aulas pode ser a oportunidade ideal para retomar a boa alimentação ou, até mesmo, iniciar um processo de reeducação alimentar. De acordo com Bruna Nogueira, consultora em nutrição Da Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (ABIMAPI) a composição do lanche infantil deve conter uma fonte de carboidratos, de proteínas e de vitaminas e minerais. “Outro ponto que não deve ser colocado de lado é a hidratação, principalmente com as altas temperaturas do verão. É fundamental incluir uma garrafinha de água na lancheira da criança”, destaca.

O carboidrato é a principal fonte de energia para o corpo humano. Um aporte adequado deste nutriente para a criança garante o melhor aproveitamento das atividades no período escolar, concentração e mais disposição para as aulas extras, como natação e karatê, por exemplo.

É comum que as cantinas das escolas ofereçam lanches rápidos e nada benéficos à saúde. O melhor a ser feito é carregar na lancheira opções leves, nutritivas e de acordo com a aceitação da criança.

Bruna também reforça um alerta aos pais e responsáveis pelos pequenos: “cuidado com os excessos de doces e refrigerantes. Eles podem ser consumidos, mas com moderação! Estes alimentos não podem ser usados como substitutos das opções nutritivas e saudáveis. São muito calóricos, pobres em nutrientes e podem contribuir para um ganho de peso exagerado. Evite-os incluir na lancheira, preferindo que sejam consumidos em refeições ocasionais, como no final de semana”, explica.

Confira abaixo outras dicas da nutricionista:

  1. Lancheiras com bolsos e divisórias permitem o melhor armazenamento da merenda. Uma lancheira organizada melhora a conservação e mantém mais gostoso o lanche para a hora do recreio.
  2. Uma boa opção são lancheiras térmicas, elas mantêm a temperatura do alimento adequada até a hora do consumo.
  3. Cada alimento deve ser armazenado em embalagens individuais, podendo ser usados sacos plásticos com zíper (descartáveis) ou potes plásticos.
  4. A quantidade e a variedade de comida para o lanche devem ser moderadas. Três produtos ou preparações são o suficiente para evitar desperdício. O lanche de uma criança deve oferecer cerca de 15% do valor diário total de calorias e, por isso, deve ter em média 200 a 300 calorias, dependendo da faixa etária.
  5. Crianças são atraídas por cores e formatos diferentes e por isso, investir em lanches divertidos é uma boa opção. Pães de forma integrais são uma ótima alternativa para criar um lanche divertido, caracterizando o pão em personagens animados ou bichos como ursos, girafas e tubarões. Pode usar a criatividade e usar moldes em formatos de estrelas, corações, carrinhos ou montar um cenário com os próprios alimentos.
  6. De forma algum vale chantagear ou usar uma comida favorita como recompensa para o seu filho comer o lanche. O certo é negociar, explicar o porquê do alimento saudável fazer parte da lancheira dele e oferecer um dia de compra na cantina. Esta é uma boa forma de conduzir a educação alimentar.