ENTENDA MELHOR SOBRE OS ACORDOS DE RESSARCIMENTOS DOS PLANOS BRESSER, VERÃO E COLLOR


Para o advogado Marcus Novaes a burocracia e a falta de transparência atrapalham os poupadores e favorecem os bancos e atual Governo 

As medidas econômicas Bresser (1987), Verão (1989) e Collor (1990-92) ainda podem refletir na vida dos poupadores que foram prejudicados na época em que foram implantadas. Nos Planos Bresser e Verão, as contas que tinham aniversários na primeira quinzena foram lesadas.

No Plano Collor, algumas contas não receberam a correção de abril de 84,32% e sobre os valores não bloqueados na época, não receberam também nada de correção em maio de 1990, sendo que o índice era de 44,80% e no Plano Collor 2, que é o mais controverso, ocorreram diversas discussões em relação aos saldos de janeiro e fevereiro e é o único plano que ainda tinha debates.

O advogado especialista em teses repetitivas e dono do canal Dr. Poupança no YouTube, Marcus Novaes, analisa que “Em todos os Planos Econômicos, na ânsia em reter a inflação dos anos 80 e 90, o Governo Federal tomou inúmeras medidas econômicas e, entre elas, modificou os índices de correção das cadernetas de poupança.

Infelizmente, os bancos se aproveitaram da situação e aplicaram as leis novas, sem respeitar as datas de aniversário das cadernetas de poupança, ou seja, eles aplicaram a lei nova de imediato, ao invés de esperar a data de rendimento para pagar a correção pela lei velha e aplicar a lei nova somente no próximo período”.

São mais de 30 anos de jurisprudência favoráveis aos poupadores. Mudou o Código Civil, o Código de Processo Civil, foi criado o advento processual dos “Recursos Repetitivos e de Repercussão Geral”, com efeito vinculante, em que as decisões dos tribunais superiores devem ser acatadas pelos Tribunais Estaduais e Juízes de Primeira Instância.

Inúmeras ações civis públicas foram julgadas e suas execuções estão em andamento, milhares de pessoas já receberam os valores não pagos pelos bancos na época dos planos.

“Em 2009 o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) reabriu o tema e em 25/08/2010, a 2ª seção definiu os índices de correção para as diferenças a serem pagas aos correntistas. No caso do Plano Bresser, a correção foi definida em 26,06%. Para o plano Verão, foi estipulada a correção de 42,72%, enquanto para o plano Collor I o índice definido foi de 44,80%.

Para o plano Collor II, a decisão do STJ foi de corrigir os valores da poupança em 21,87%, e também definiu o prazo de 20 anos para o ajuizamento das ações individuais e de 5 anos para ações civis públicas”, ressalta Marcus Novaes.

Desde 2010, os poupadores e advogados vinham aguardando o julgamento, que foi iniciado em 2013 e depois suspenso, sem reabertura até hoje. Em março de 2018 o Supremo Tribunal Federal (STF) homologou uma espécie de acordo realizado às escuras entre poupadores e bancos, que beneficia bancos e Governo, que é responsável pela CEF, que mantém suspenso o tema por mais dois anos, para que não quiser aderir ao acordo.

O advogado explica que o prazo para entrar com ações para ressarcimento já acabou e que o acordo para reaver os danos abrange apenas ações ajuizadas até 2016.

“O Acordo não é obrigatório e eu aconselho aos poupadores a não o aceitarem já que estão oferecendo aproximadamente 22% do direito real atualizado, com deságio de 5 a 19%, e parcelamento em até 3 anos”.

O acordo homologado determina a suspensão dos processos do STF em 27/08/2010 seja mantida por mais dois anos. Além disso, existem diversas irregularidades e ilegalidades, como as negociações que não poderiam ter sido intermediadas por entes do Governo, como a AGU e o BACEN.

“Infelizmente, estão tentando vencer os poupadores pelo cansaço, que aguardam há mais de 30 anos por justiça. A adesão tem um calendário de adesão já iniciado que vai até março de 2019.

Quem é herdeiro de poupador já falecido ou poupadores nascidos depois de 1964, só poderá se habilitar no último lote, e se tiver mais de R$ 20.000,00 para receber deve conceder um desconto de 19% e receber o saldo em seis parcelas semestrais”, informa o Marcus Novaes.

Os poupadores ainda podem aderir ao acordo que tem um calendário de adesão que começa com o cadastro dos mais velhos e depois de 11 meses termina com o cadastro dos mais novos e dos herdeiros dos poupadores falecidos.

No entanto, o prazo para adesão é de dois anos, ou seja, o mesmo prazo que ficará suspenso o julgamento da matéria pelo STF.

O Dr. Poupança aconselha os poupadores interessados a aguardarem um pouco mais para tomar a decisão: “a adesão do acordo é muito burocrática e não é tão fácil quanto parece, pois é necessário cópias de petições e documentos que estão nos processos e também de anuência e autorização do advogado.

Por isso é essencial, conversar com o advogado antes de tomar qualquer atitude.” Em seu canal é possível encontrar um vídeo onde ele explica como iniciar o cadastro para o acordo e outro com o passo a passo para a adesão.

Se o poupador perdeu a causa e já teve o transito em julgado, não tem como aderir ao acordo. Agora se o poupador perdeu a causa e o recurso ainda não havia sido julgado, devido a suspensão dos processos pelo STF, o acordo pode ser uma escolha.

Para Marcus, o acordo na verdade beneficia apenas os bancos e o Governo, deixando os poupadores sem informações e expectativas de recuperar os danos causados. Em seu canal ele também fala sobre 5 pontos positivos e 5 pontos negativos do acordo, mas tudo com um tom sarcástico, como o mesmo diz.

Questionado sobre os impactos na economia nacional, o advogado é enfático ao comentar que o atual governo é o maior interessado neste acordo vem tentando maquiar a economia desde que assumiu o poder.

“Foram liberados o PIS e o FGTS para milhões de pessoas que em sua maior parte ainda estão desempregadas, tudo para dar uma falsa impressão de crescimento”, ressalta.

“É nítido que o acordo é pífio e apenas beneficiou os bancos e o Governo que pagarão valores infinitamente menores se comparado aos prejuízos que causaram e ainda, estes gigantes possuem a ajuda da mídia, que faz com que o poupador mais humilde pense que o acordo é maravilhoso”, aponta Marcus.

Desde a homologação do acordo e extinção de algumas ações civis públicas que estavam paralisadas, o advogado vem estudando a possibilidade de ajuizamento de ações para poupadores que vinham aguardando a finalização destas ações públicas que foram extintas, dentre eles, poupadores que tinham poupança em janeiro e fevereiro de 1989, em relação ao Plano Verão, nos bancos, ITAU, CEF, SAFRA, entre outros.

“Não é justo que poupadores que preferiram esperar o final destas ações para não tumultuar ainda mais o judiciário, sejam prejudicados com o acordo firmado na “calada da noite”, que extinguiu estas ações civis públicas”, finaliza o advogado.

Sobre Marcus Novaes

Conhecido como Doutor Poupança por seu canal no YouTube, o advogado Marcus Novaes já ajudou centenas de poupadores e é especialista em recuperação de ativos.

Constantemente, orienta seus clientes sobre “teses rentáveis” ligadas ao mercado imobiliária, tributário e outras áreas do direito, dentre elas, teses que possibilitam oferecer a redução e restituição de imposto de transmissão de imóveis ITBI e ITCMD.

Com 18 anos de experiência, atua neste segmento desde o início de suas atividades profissionais sempre oferecendo à imobiliárias, proprietários, investidores e empresários uma assessoria completa em todas as fases da aquisição de imóveis, seja através de compra e venda particular, integralização de quotas sociais, leilão, herança ou partilha ou na administração e locação de imóveis.

Também atua no “Planejamento Sucessório” reduzindo custos, impostos e possibilidade de litígio entre herdeiros e na “Proteção de patrimônio e redução de Imposto de Renda”.

Para saber um pouco mais sobre o advogado, acesse http://www.madinovaesadv.com.br/, e também pelo facebook no @madienovaesadvogados/. Nos últimos anos vem se especializando no estudo, criação e divulgação de teses rentáveis para seus clientes, em diversas áreas do direito.

Anterior CONFIRA DICAS PARA IR BEM NO EXAME DA OAB
Próxima UNDOKAI COMEMORA 110 ANOS DA IMIGRAÇÃO JAPONESA NO BRASIL