PADRÕES, ESCOLHAS, TENDÊNCIAS E A ANTI-COR DO ANO

Por Wendell Toledo, CEO da Artluv

Até que ponto as nossas escolhas são baseadas em tendências predefinidas? Será que tendência é algo dito por alguém ou instituição, ou uma compilação instintiva do que, de fato, tem acontecido em termos estéticos no mundo?

No final do ano passado, a Pantone, empresa fundada em 1962 e mundialmente conhecida pelo seu sistema de cores amplamente utilizado na indústria gráfica, divulgou a cor que, segunda ela, será tendência para 2019. A empresa fez uma série de pesquisas para entender as emoções culturais do período em questão e, para esse ano, escolheu a “Living Coral” como o tom mestre do catálogo, que terá uma linha de tons similares ou complementares. A escolha se deu pois o tom tem um caráter energizante, sociável e espirituoso.

Já faz algum tempo que comecei a questionar até onde as nossas escolhas são nossas de fato. Trabalhando diariamente com arte, criação, marketing e dados, percebo que esse mercado em específico possui como dois de seus pilares a criatividade e o comportamento do usuário. Unindo esses pontos e curioso pela resposta, desenvolvi na Artluv, art-tech que conecta artistas aos amantes de arte, um estudo para descobrir a “Anti-cor do ano”. Obviamente, este contraponto não tem o objetivo de questionar o trabalho sério de uma instituição competente e legítima como a Pantone, mas, sim, propor uma reflexão sobre o quanto as tendências interferem em nossas escolhas.

Utilizando a teoria de cores contrárias, chegamos a uma cor que mescla ciano (C) e verde (G), quando se fala de escala de impressão; e verde (G) e azul (B), quando se fala de escalas para telas ou meios digitais. O resultado foi um tom puxado para o turquesa, o mesmo utilizado pela própria Pantone como pano de fundo na divulgação da “Living Coral” (imagem abaixo).

A partir da próxima semana, entra no ar o novo layout do site da Artluv. Nós seguimos justamente o conceito de que é possível se inspirar no que vem de fora, mas as nossas escolhas devem se basear no que vem de dentro. Em 2018, utilizamos como base a Ultra Violet, eleita pela empresa americana como a cor do ano. Já para 2019, trabalharemos com a “anti-cor” em conjunto com a escolhida pela Pantone. Somos livres para criar, propor o oposto, ousar e arriscar romper os padrões.

Obra: Coexistência
Artista: Bruno Portella

Wendell Toledo
Fundador da Artluv, plataforma que conecta artistas a clientes, Wendell Toledo é um empreendedor por natureza. Iniciou a sua carreira no mundo da arte aos 15 anos, desenhando storyboard para um filme do Mojica. CEO da Blachere Iluminação Brasil, Toledo é formado em desenho industrial pela ESPM e Administração Financeira pela FGV, além de ter cursos pelo ITS Rio, Massachusetts Institute of Technology e pela Harvard Business School.

Anterior UNIFEB ABRE INSCRIÇÕES PARA CURSO DE DESENVOLVIMENTO DE PERSONAGENS 3D PARA GAMES
Próxima POPULARES NOS TELHADOS, PLACAS SOLARES IRÃO GERAR ENERGIA SOBRE ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO