Após mais de dois anos de posse do certificado de erradicação do sarampo, em março o Brasil perdeu este status conferido pela Organização Pan Americana de Saúde (OPAS), vinculada à Organização Mundial de Saúde (OMS). Com os casos em alta no país, a importância do diagnóstico da doença volta a ganhar destaque paralelamente às campanhas de vacinação.

“O sinal de alerta brasileiro em torno do sarampo foi ligado em 2018, com o surto da doença que tomou conta principalmente na região norte do país. Com o volume de casos que passa a se espalhar agora em outras regiões, tão importante quanto a prevenção por meio da vacina é o diagnóstico para que o tratamento seja assertivo com o objetivo de preservar vidas e conter o vírus e as suas consequências ao evoluir no organismo”, destaca Gustavo Janaudis, diretor executivo da EUROIMMUN Brasil, empresa de origem alemã referência em soluções para diagnóstico.

No Brasil, com o recente surto da doença que tem castigado os estados do Norte do País, entre fevereiro de 2018 e fevereiro de 2019, foram registrados mais de 10,3 mil casos confirmados e 12 mortes, o que levou a perda do certificado de erradicação do sarampo. Agora, o vírus também começa a se manifestar no Sudeste: São Paulo (SP) registrou no mês de março o primeiro caso confirmado de sarampo desde setembro de 2015 – segundo informações da Secretaria Municipal da Saúde, a contaminação ocorreu na Noruega. Por outro lado, em Santos (SP) foi detectado o primeiro caso autóctone – ou seja, com origem na própria localidade – numa criança que já havia sido vacinada.

Os estados com maior número de infecções são Amazonas, Roraima e Pará, seguidos de Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Sergipe, Pernambuco, São Paulo, Bahia, Rondônia e Distrito Federal.

Diagnóstico e imunização

Um dos testes para diagnósticos de sarampo aprovado pela Anvisa e disponibilizado nas redes pública e privada é produzido pela EUROIMMUN. A solução é desenvolvida a partir da técnica ELISA, na qual antígenos puros da doença envolvem a microplaca – se a amostra for positiva, os anticorpos (IgM ou IgG) diluídos no soro se ligam aos antígenos e passam a ser visíveis por uma alteração de cor. A intensidade da cor produzida é proporcional à concentração de anticorpos na amostra.

“O diagnóstico do sarampo é realizado mediante detecção de anticorpos IgM no sangue, na fase aguda da doença, desde os primeiros dias até 4 semanas após o aparecimento do exantema. Já os anticorpos específicos da classe IgG podem, eventualmente, aparecer na fase aguda da doença e costumam ser detectados muitos dias após a infecção”, explica Janaudis.

A imunização da doença deve ser realizada por meio da vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba. Está disponível em todos os postos de saúde e deve ser aplicada em duas doses.

Sobre a EUROIMMUN –

A EUROIMMUN é líder mundial em soluções para diagnóstico laboratorial e possui um sólido registro de patentes e métodos inovadores de produção. Com mais de 30 anos de atuação no mercado global, a empresa é especializada no diagnóstico de doenças autoimunes, infecciosas, alergias e genética. Os métodos predominantes aplicados no desenvolvimento dos seus produtos são a imunofluorescência, ELISA, imunoblot e biologia molecular. Desde 2017, é parte integrante do grupo PerkinElmer, empresa norte americana líder mundial em tecnologia nos segmentos médico e químico, comprometida com inovação para um mundo mais saudável.