Modernos sim, mas sem perder a tradição! Este é o lema dos ‘dos brutos do Brasil’, Carreiro e Capataz, que chegam a Barretos, terra do sertanejo, para um show na quarta-feira, 21 de agosto. “Para nós é uma felicidade muito grande cantar e tocar em Barretos, a maior festa de peão boiadeiro do mundo! Vocês estão convidados para participar de um grande tributo a música sertaneja. Ansiosos por este show que, sem dúvidas, será histórico”, dizem.

Orgulhosos por manterem viva a cultura sertaneja, fazem a viola chorar nos braços da sanfona a cada música lançada.

Brutos no ‘jeitão’ de ser, interpretam parte da história fonográfica caipira a cada show realizado. O ‘tributo’, como eles mesmos dizem, além das próprias composições, traz os clássicos imortalizados por artistas que escreveram capítulos importantes na música popular brasileira.

Indiscutivelmente o Brasil é sertanejo e Carreiro e Capataz fazem parte do time que levanta da bandeira do segmento, seja através das composições lindamente interpretadas ou no dia a dia: ambos vivem no interior e não se renderam aos grandes centros. A música precisa ser uma verdade e eles levam isso como estilo de vida também.

Carreiro e Capataz traduzem a essência do sertanejo raiz, não apenas pelo gosto musical, mas pela história particular entre eles. Nascidos respectivamente em Esmeralda (SP) e Cuiabá (MT), se conheceram por intermédio de um amigo em comum. Pronto! Era o que o destino precisava para unir a viola caipira com as vozes inconfundíveis que o país aprendeu a amar.

No repertório, os sucessos que caíram no gosto do povo: ‘Xique Bacanizado’, ‘Bruto, Rústico e Sistemático’, ‘Recém Abandonado’, ‘Prefácio’, ‘É Pra Cabá’, ‘Será que ‘Ocê’ tá Bem’, ‘Promessa’, ‘Quebrou o Frasco’, ‘Estouro da Boiada’, e ‘Sábado a Noite’.

A cada show, uma explosão de sentimentos se mistura com a alegria contagiante, transformando a apresentação em uma grande festa! O  resultado, claro, não poderia ser outro: sucesso e casas lotadas!

As canções de Carreiro e Capataz estão vivas nos três álbuns lançados: ‘Ainda Mais Brutos’(2014), ‘Lado A Lado B Vol. 2’ (2016) e o mais recente, ‘Sarra Viola’(2018).

“Me chamaram pra um tal de sunset
E eu cheguei bem no meu estilão
A moçada toda fumegando
E as muié relando a bunda no chão
Não que eu seja contra esse negócio
Na verdade eu até acho bão
Mas agora tá chegando a hora
E o som da viola é sem comparação”

O trecho de ‘Sarra Viola’ revela o lado bem-humorado dos brutos para falar de coisa séria. Mas, o amor e a paixão também são cantados em versos e prosas como em ‘Dona’.

E é assim, levando o sertanejo de verdade, que Carreiro e Capataz provaram que era possível ter êxito preservando o segmento que não lhes rendeu apenas o sucesso profissional, mas entregou a cada um deles o amor, a verdade e a vida.