A correria do dia a dia muitas vezes é o maior empecilho para que tenhamos uma rotina com a carga recomendada de exercícios físicos e uma alimentação saudável.

Porém, por mais costumeira e desgastante que seja a agitação diária, é possível implementar e modificar determinados hábitos, provocando inúmeras alterações em nossas vidas.

Praticar esporte com conforto ou simplesmente sair para curtir com amigos são algumas das recomendações descomplicadas e prazerosas, mas altamente eficazes para atingirmos a  vigorosa mudança.

A quebra na rotina impulsionada pelo novo estilo é fator principal para acalmar e recompor o corpo do estresse acumulado durante o dia. Um cotidiano estressante contribui para o desenvolvimento de dIsfunções emocionais, como depressão ou ansiedade, além de doenças físicas, como insônia e pressão alta.

Basicamente, o organismo reage de acordo com o tratamento e administração recebidos. Por fatores como esses, repensar nossas atitudes repentinamente, tomando mais consciência das reais necessidades, é o caminho básico aumentar drasticamente nossa qualidade de vida.

Qualidade de vida

A melhor maneira de garantir uma saúde estável, manter uma boa forma física e aperfeiçoar o desempenho em todas as atividades rotineiras é adotando hábitos saudáveis. Essa iniciativa é regida por três bases: alimentação equilibrada, prática regular de atividades físicas e descansos apropriados.

Uma das primeiras lições que aprendemos quando crianças é originária da boa alimentação: comer bem para crescer forte! Bê-á-bá a parte, é necessário incorporarmos a ideia de permanecer constantemente em regime alimentar específico, no lugar de apenas “fazer uma dieta” oscilante.

Atitudes de uma má alimentação – como pular refeições, consumir industrializados excessivamente, ingerir alimentos ricos em gordura saturada e açúcar simples – são os principais causadores das enfermidades decorrentes da atualidade. Obesidade, hipertensão, doenças cardíacas e até diversos tipos de câncer são associados a esse fator.

O sedentarismo, em conjunto, potencializa todos esses riscos. Fazer atividade física regularmente, mesmo que descompromissada (caminhadas diárias, por exemplo), é uma ação decisiva para o aprimoramento da saúde e das condições físicas e mentais.

O terceiro pilar dos bons hábitos é o descanso. Merecida, uma boa noite de sono é fundamental para reposição e conservação de energia, desenvolvimento do sistema nervoso, produção hormonal e consolidação da memória. O sono regular é, portanto, complemento essencial da alimentação saudável e das atividades físicas.

Hábitos da boa saúde

O início pode até ser um sacrifício, mas depois de alguns dias se habituando, o organismo irá sentir as alterações, respondendo com gratificante progresso (a produção de serotonina, o “hormônio da felicidade”, é uma das boas consequências).

As medidas adotadas como essenciais, e aqui colocadas, são métodos comprovados cientificamente. Então, mais que advertência pessoal, a necessidade é testada e evidenciada por recursos e tecnocientíficos.

Movimente-se

A Sociedade Americana de Câncer descobriu que a grande quantidade de tempo gasto sentado contribui para encurtar o tempo de vida. A explicação é baseada no fato de que quando ficamos frequentemente sentados – por muito tempo –  o nosso metabolismo se altera, influenciando fatores responsáveis pelo desenvolvimento de colesterol alto e aumento da pressão arterial.

Ambos são reconhecidos como indicadores de obesidade, disposição para problemas cardiovasculares e outras doenças crônicas. Para quem trabalha sentado, exercícios simples de alongamento e movimentação ocasionam maior oxigenação, auxiliando no reposicionamento do corpo para alcançar o equilíbrio funcional e de postura.

Comer, se exercitar e dormir bem

Como já elucidado, os pilares da vida saudável se complementam. A consulta com especialistas é o primeiro passo para iniciar o processo de mudanças. Um nutricionista, com auxílio de nutrólogo, é plenamente capaz de estabelecer uma dieta específica para  cada indivíduo, segundo necessidades e padrões individuais.

O Centro de Pesquisas Médicas de Cardiff, no País de Gales, por exemplo, comprovou que vítimas de ataques cardíacos aumentaram as chances de evitar novos problemas em 29%, quando passaram a comer peixe pelo menos duas vezes por semana, graças a presença do ômega 3.

Um outro estudo realizado pela Associated Professional Sleep Societies afirma que quem sofre de insônia crônica corre três vezes mais risco de morrer em comparação à pessoas que não sofrem com o problema (necessidade de pelo menos sete horas e meia de sono por dia).

A maior lista de benefícios fica sob responsabilidade dos exercícios físicos. Uma pesquisa da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), da USP, afirmou que uma simples caminhada reduz a pressão arterial na primeira hora e que essa queda se mantém nas 24 horas sequentes.

Durante o exercício o corpo produz ainda uma substância estimulante ao nascimento de novos neurônios, incrementando as atividades cognitivas, sobretudo a memória.

Controle o nervosismo e… sorria!

Segundo análise da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia,os pesquisadores descobriram, por meio de alguns testes em mais de 53 mil pessoas, que os participantes mais bem humorados tinham o risco de morte reduzido em até duas vezes. Pessoas estressadas, que sofrem situações constantes de nervosismo, tendem a apresentar problemas cardiovasculares (cerca de 46,8% dos indivíduos).

10 minutos de caminhada em áreas verdes (parques e jardins), de acordo com a Universidade de Essex, no Reino Unido, melhora significativamente a saúde mental, estabelecendo benefícios para o humor e para a autoestima.

Vida sexual e social ativas

A Universidade de Bristol, na Grã-Bretanha, constatou: fazer sexo com determinada frequência diminui os riscos de infarto fatal, além de contribuir para melhorar o humor, relaxar o corpo, beneficiar a pele, aliviar o estresse e a TPM.

O relaxamento proporcionado colabora com o bom sono; a reação possui efeito prolongado, pois estimula neurotransmissores a agir no organismo com maior regularidade, intensidade e quantidade de tempo.

Já a Universidade Brigham Young, nos EUA, descobriu que quem vive cercado de pode viver até 50% mais do que alguém que vive só. Constataram ainda que perder o apoio social pode diminuir ainda mais as chances de sobrevivência do que obesidade, fumo e sedentarismo.

Incontáveis benefícios

A listagem de benefícios é enorme. Além dos citados, diversos outros pontos ajudaram a melhor o seu rendimento e aproveitamento das tarefas diárias. Sempre com o auxílio de profissionais, procure fazer o bem para o seu corpo, pois, partindo de pequenas atitudes, a sua vida pode mudar completamente.