Outubro de 2019. O mesmo planejamento que antecede uma viagem, como definir o melhor trajeto e checar as condições gerais do veículo, também é necessário quando o assunto é o transporte de animais de estimação.

Não basta colocá-los no banco de trás, tampouco pensar em levá-los no colo dos passageiros. Viajar com animais de estimação requer o cumprimento de regras que visam garantir a segurança de todos dentro do veículo.

Dirigir com pets soltos ou mesmo na carroceria, além de muito perigoso, é infração de trânsito e passível de multa. Com ações voltadas à segurança viária, a Entrevias, que integra o Programa de Concessão Rodoviária do Estado de São Paulo, elencou algumas dicas de como garantir uma viagem tranquila e que atenda às determinações do Código Brasileiro de Trânsito (CBT).

“O animal solto dentro do carro pode ser motivo de distração de motoristas e criar situações de risco. Em rodovia, que se acrescenta um deslocamento em alta velocidade, os resultados podem ser fatais”, afirma o gerente de operações da Entrevias, Jorge Baracho.

O Código Brasileiro de Trânsito não proíbe o transporte de animais de estimação desde que a condução seja feita de maneira segura.

Animais soltos dentro do veículo, com a cabeça para fora do carro, na carroceria ou transportados no colo ou entre os braços e pernas do motorista ou passageiros podem gerar multa de leve a grave, prevista nos artigos 169, 235 e 252.

De acordo com o Artigo 235, é proibido “Conduzir pessoas, animais ou carga nas partes externas do veículo, salvo nos casos devidamente autorizados”, o que gera uma infração grave no valor de R$ 127,69 com 5 pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

Já o Artigo 252 proíbe “Dirigir o veículo transportando pessoas, animais ou volume à sua esquerda ou entre os braços e pernas”. Uma infração média no valor de R$ 85,13 com 4 pontos na CNH.

Para todos os tipos

O transporte correto para cada animal varia de acordo com o tamanho dele, espécie e adaptação ao dispositivo escolhido, reforça a médica veterinária Natália Selli. Alguns exemplos de itens de segurança indicados para deslocamento em veículos são as caixas de transportes, cinto de segurança especial e até mesmo cadeira ou assento específicos para os animais de menor porte.

“É muito importante lembrar que o transporte deve ser feito sempre no banco traseiro e com o cinto de segurança fixado ao pet ou à caixa/assento. Apenas colocar o animal em um dispositivo solto não garante proteção”, diz a médica veterinária Natália Selli, que também lembra que a coleira não pode ser do tipo enforcadora.

As caixas podem ser usadas para gatos e cachorros, devem ter tamanho adequado ao bichinho, serem ventiladas e possuir trava para fechamento das portas. Também é recomendado que possuam alguma alça para se prender ao cinto de segurança durante as viagens.

Marjore Serena, empresária e dona da pequena Chloe, uma sptiz alemã de 11 meses, faz viagens de carro com frequência e não abre mão de proporcionar segurança para sua “filha” de quatro patas. “Como ela é super companheira e apegada, comprei logo uma cadeirinha para dar mais conforto e segurança.

Assim, ela consegue me acompanhar no dia a dia, sempre que necessário, e eu fico mais tranquila em saber que está estável e protegida, caso ocorra qualquer problema”, conta.

De acordo com a médica veterinária, o cinto de segurança para cachorros é uma opção bastante recorrente.  “Possibilita ao pet observar a viagem e, ao mesmo tempo, sentar em segurança no veículo, pois o mantém protegido e preso ao banco traseiro”, diz Natália. “Caixas de transporte são as opções mais indicadas para os gatos, que se sentem mais seguros e menos estressados”, completa.

Paradas para descanso

Pensando no bem-estar e na hidratação do motorista e de seus pets, a Entrevias oferece gratuitamente água fresca nas paradas rápidas de descanso, nas bases de apoio, os chamados SAUs – Serviço de Atendimento ao Usuário.

Em todo o corredor viário, são 17 bases que podem ser utilizadas para paradas rápidas e contam com fraldário, banheiros e um sistema de informações que permite o contato do usuário com o CCO – Centro de Controle Operacional da Entrevias.

Sobre a Entrevias Concessionária de Rodovias – A Entrevias Concessionária de Rodovias é responsável pela operação, manutenção e modernização do lote Rodovias do Centro-Oeste Paulista, com um total de 570 quilômetros de vias no eixo entre Florínea, na divisa com o Paraná, e Igarapava, na divisa com Minas Gerais. O contrato de concessão assinado com o governo do Estado de São Paulo prevê investimentos de R$ 3,9 bilhões na restauração de rodovias, ampliação da malha viária e implantação de tecnologias e inovações que contribuem para prestação de serviços de alta.