O uso de smartphones e o acesso à internet via aplicativos já não são mais características exclusivas dos jovens. Entre a população com mais de 60 anos, 58% têm acesso à internet nos smartphones. E cada vez mais idosos utilizam as benesses modernas para interagir, fazer pesquisas e navegar em sites e aplicativos de relacionamentos.

Até mesmo as compras online crescem. De acordo com os dados levantados pela empresa VTEX e divulgados por Luiz Paulo Ribeiro, diretor de vendas no Brasil da companhia, 49% dos idosos que acessam à internet têm o hábito de utilizar sites de pesquisa em busca de produtos e, consequentemente, consumir.

Na opinião do especialista, a inserção de pessoas acima de 60 anos em todas as camadas da sociedade é “um avanço mundial”.

Esse fenômeno tem explicação. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a expectativa de vida dos brasileiros alcançou a marca histórica de 76 anos. Estima-se, portanto, que até 2060, a parcela da população com mais de 60 anos dobrará de tamanho e passará a representar 32,1% dos habitantes do país.

De olho nesse crescimento, muitas empresas vêm investindo em estratégias de e-commerce. Segundo Ribeiro, “a confiança, atenção e entrega são as chaves para manter esse perfil de cliente sempre ativo”.

Atendimento ágil e transparente é fundamental

A dificuldade na utilização de dispositivos eletrônicos, como computadores e smartphones, ainda é uma realidade para muitas pessoas, sobretudo idosos.

Segundo os dados da pesquisa realizada pelo TIC Domicílios, do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.Br), 72% das pessoas acima dos 60 anos que foram entrevistadas não acessam a internet devido à falta de habilidade com computadores.

O medo da exposição e da utilização indevida de dados também é um dos impeditivos que levam 39% destes potenciais usuários a rejeitarem a modalidade de compras pela internet.

Contudo, essa realidade tem se transformado.

Em 2017, 32% dos idosos haviam usado a internet no celular, contra apenas 13% em 2015.

De acordo com Luiz Paulo Ribeiro, é essencial que as empresas que queiram atrair esse público invistam em sua área de atendimento ao consumidor.

O cadastro otimizado de produtos e modelos de comunicação, como e-mails e até mesmo SMS, voltados para a atualização do status de compra, esclarece o especialista, é fundamental.

O lucrativo mercado “sênior”

Idosos tendem a gastar mais em compras online. É o que aponta um levantamento realizado em 2018 pela Rakuten Digital Commerce.

Segundo René Abe, CEO da Rakuten Brasil, “os jovens costumam comprar com maior frequência pela internet, mas com um ticket médio mais baixo, enquanto os consumidores mais velhos escolhem produtos mais caros”. Segundo o executivo, os segmentos de perfumaria, saúde e beleza ficam entre as principais buscas deste público.

O público com mais de 60 anos representa um perfil de consumidor que prefere receber os produtos em casa, mesmo que isso signifique aumento do valor final. Assim, o valor do ticket médio acaba sendo maior.

E, para atrair esse público, muitas empresas têm desenvolvido estratégias de e-commerce que visam, sobretudo, facilitar a compra e o acesso dos idosos aos produtos adquiridos online.

É o caso, por exemplo, da SCA, empresa brasileira de fraldas geriátricas que desenvolveu uma sólida estrutura virtual, a fim de que os pedidos sejam realizados pela internet e entregues em domicílio, sem que haja a necessidade de que seus consumidores se desloquem até uma loja física.