Em definição, turismo é o conjunto de atividades capaz de atrair determinado público para conhecer um local, região ou país. Geralmente, essa especificação é determinada por cenários naturais, rotas históricas, culturas, consumo etc.

Uma das alternativas é o turismo gastronômico. Como a própria denominação sugere, nessa categoria a variedade de comidas de uma localidade é considerada o ponto principal de interesse para atração de turistas.

O prazer de comer bem, conhecendo pratos típicos, temperos, sabores e variedades, é um verdadeiro atrativo para profissionais do setor culinário e também para aqueles que simplesmente apreciam uma boa gastronomia – e quem não gosta?

Nós, brasileiros, usufruímos de um enorme privilégio quando o assunto é culinária, tanto que diversas pessoas de todo o mundo vêm para cá visando esse turismo. Afinal, por meio dos mais diferentes pratos é plenamente possível conhecer com calma a cultura local, as tradições de um povo, diferentes maneiras de preparo e degustação de uma mesma receita e, é claro, desfrutar de ótimos momentos com amigos e parceiros.  

 

Descobrindo o Brasil pelo paladar

Para que você possa conhecer melhor nosso temperado regalo nacional,  separamos os melhores destinos culinários do Brasil de acordo com as cinco regiões. Confira!

Norte

Ao visitar a região amazônica não perca a oportunidade de provar uma Mojica de Tambaqui (caldo de origem indígena feito à base de peixes de água doce) e o famoso Bolinho de Piracuí (de peixe frito). As pimentas também possuem destaque por aqui – as pimentas Murupi e Olho-de-peixe são ingredientes dignos de um belo tempero.

No Pará, os queridinhos são Tucupi (líquido amarelado extraído da mandioca brava – servido com a folha típica Jambu) e o Tacacá (esse leva também goma de tapioca e camarão).

Já o Chambari (prato à base de músculo bovino) é receita famosa em Tocantins, além, é claro, do Pequi, encontrado no arroz, na maionese, no frango, na carne seca… A peixada, com arroz e farofa na manteiga, é outra excelente pedida.

Açaí, castanha do pará, buriti, guaraná e cupuaçu são os principais compositores de deliciosos doces que, combinado com outros ingredientes (inclusive salgados), garantem sobremesas imperdíveis.

Nordeste

Para começar, nada melhor do que frutos do mar. Em Alagoas, siri mole ao coco, sururu de capote e pituzada são fundamentais! Já na Bahia, terra dos temperos, você vai se satisfazer com a variedade de carnes, peixes, frutas… Tapioca, acarajé, acaça, bobó, rabada, xinxim de galinha e a explosão de sabores no camarão à baiana completam a originalidade arretada do estado.  

No Ceará, as especialidades são a moqueca, o baião de dois e a deliciosa carne de sol com macaxeira. Produzida em larga escala, a rapadura cearense é muito típica por toda a região.

Cuscuz doce, quindim, baba-de-moça e pudim de tapioca completam o açucarado time.

 

Sudeste

Convenhamos, São Paulo é uma cidade que merece um guia a parte. Com uma infinidade de bares, restaurantes, feiras, barracas e food trucks, a cidade é uma dos potenciais gastronômicos do país (a variação agrada qualquer paladar e bolso).

Porém, se você está em busca de comida caseira e da fazenda, seu destino é Minas Gerais. No estado, os laticínios de pequenas produções reinam em mercados e mostras, juntamente dos ilustres doce de leite e pão de queijo. Os pratos principais são: feijão tropeiro, tutu, ora-pro-nobis e muitos outros.

O estado carioca, por sua vez, oferece restaurante tradicionais e muitas cervejarias (inclusive de produções artesanais), fazendo jus à reconhecida boemia.

O Espírito Santo não fica para trás, muito pelo contrário… peixes, mariscos e palmito se combinam na Torta Capixaba, enquanto a moqueca, preparada rigorosamente em panela de barro, é outra saborosa pedida.

 

Centro-Oeste

Tendo recebido migrantes de todas as outras regiões, o Centro-Oeste é uma grande mistura de paladares. A influência dos Tropeiros, por exemplo, em Goiânia estabeleceu a ambrosia e o tutu de feijão como pratos reconhecidos na localidade.

O empadão goiano, o peixe na telha, cordeiro na brasa, javali à brasiliense e a pamonhada são outros grande símbolos da região. Já a castanha do baru, renomado fruto do cerrado, é responsável pela produção de bolos, pães e biscoitos.

Mato Grosso e Mato Grosso do Sul se destacam pelos pratos típicos à base de peixes. As receitas variam – bem como as formas de cozimento –, e as iguarias são servidas com farofa, couve, folha de bananeira e caldos. Pacu, bagre, piraputanga, dourado, piranha, cachara e pintado são elementos fundamentais nos cardápios regionais. Carnes de capivara, cobras e jacaré também são consumidas

Há, ainda, influências bolivianas e paraguaias, como a chipa (torta de queijo e milho) e a saltenha (pastel empanado de frango).

 

Sul

Na região Sul, os pratos típicos possuem origens indígenas, tropeiras e de imigrantes, sobretudo italianos e alemães.

No Paraná, o pinhão é base para sopas, panquecas, paçocas e a aclamada sapecada. O barreado (carne de boi cozida por 12 horas, lacrada com água e farinha de mandioca), servido com arroz de banana, é um dos mais renomados itens. Arroz tropeiro, charque e virado de feijão completam o cenário tropeiro.

O churrasco, evidentemente, não poderia faltar, e a especialidade por lá, além do tradicional, é o rolete. Nele, é costume assar carnes de porco, boi, carneiro e, especialmente, leitão – os peixes também não ficam de fora, e inúmeras espécies compõem o cardápio.

Em Santa Catarina, por exemplo, frutos do mar e peixes são preparados no vapor, fazendo ensopados e caldeiradas saborosas.

Os clássicos germânicos e italianos, como apontado, são encontrados com facilidade (desde a chuleta ao salsichão). As cervejarias complementam o cenário europeu.