Na gravidez o corpo da mulher se transforma para acolher o bebê. São várias sensações e mudanças na pele, no cabelo, nos seios, na coluna, no fluxo sanguíneo, no sistema digestivo, no olfato e paladar, no útero. A circulação desacelera com a retenção de líquido nas pernas, pés e tornozelos gerando muito inchaço.

O que muitas mulheres não sabem é que sessões de drenagem linfática com aromaterapia proporcionam saúde e bem-estar durante a gestação.

Segundo Isadora Rezende, esteticista especialista em gestantes e diretora da Clínica Malva-Rosa, a aromaterapia é uma técnica terapêutica natural que utiliza óleos essenciais 100% puros, ou seja, extraídos das plantas, para restabelecer o equilíbrio e a harmonia, a saúde física e o bem estar.

“Associada à drenagem linfática ativa as circulações venosas e linfáticas e, assim, reduz a retenção de líquido, diminui o inchaço e o risco de desenvolver varizes. De quebra, a massagem também relaxa, alivia a tensão e as dores musculares. Na gravidez ajuda ainda a diminuir o cansaço nas pernas e o desconforto dos tornozelos e pés inchados, contribuindo para uma melhor qualidade de vida da gestante”, diz.

E os benefícios não param por aí. De acordo com Isadora, a drenagem na gravidez melhora a nutrição das células e a oxigenação dos tecidos; estimula a lactação e a dessensibilização das mamas, preparando-as para a amamentação; combate celulite e estrias e ainda alivia tensões, reduz dores musculares e proporciona benefícios para o bebê.

“Quando a mãe sente alívio das dores e libera as tensões físicas, mentais e emocionais, ela transmite para o bebê todo esse relaxamento e conforto, proporcionando um grande bem-estar para ambos”, explica a esteticista.

As sessões de drenagem geralmente são indicadas pelos médicos a partir da 16ª semana (3º mês de gestação) e há restrições.

“Sempre começo o tratamento a partir do 4º mês, pois o bebê está mais seguro e o corpo já sofreu as principais alterações da gravidez. Além disso, gestantes que têm hipertensão não controlada, insuficiência renal, trombose venosa profunda ou qualquer doença relacionada ao sistema linfático ou com a gestação não podem fazer”, afirma Isadora.

Por isso é importante fazer uma rigorosa avaliação antes de iniciar as sessões. “Na anamnese conhecemos a paciente e o que ela sente na gravidez, acompanhamos e analisamos os exames e orientações do seu médico. A partir daí definimos o tratamento personalizado com os óleos essenciais específicos para cada paciente e o tempo de duração das sessões”, explica a esteticista.

Na Malva-Rosa, os óleos utilizados são produzidos especialmente para a clínica, resultado de uma parceria com uma empresa francana especializada em aromaterapia e óleos essenciais puros. “Nossos óleos têm princípio ativo diurético e relaxante, com a finalidade de diminuir o inchaço e a ansiedade da paciente”, diz Isadora.

Geralmente, são indicadas de 1 a 3 sessões por semana, com duração de 1h30 cada atendimento. A profissional ressalta ainda a importância da drenagem linfática após o parto, às vezes feita até no hospital, se for autorizada pelo médico.

“A drenagem pós-parto ajuda a expulsar o excesso de líquido do corpo, fortalecendo também o sistema imunológico com a eliminação das toxinas. Melhora a circulação, consequentemente, reduz o inchaço”, orienta Isadora.

“Também auxilia o corpo para retornar à sua forma anterior e elevar a autoestima da mulher, afinal, o útero cresceu para acomodar o feto, os músculos abdominais se afastaram e a pele esticou ao máximo para se ajustar ao órgão. A drenagem ainda previne celulite e estimula o metabolismo, ajudando a aumentar a produção do leite”, completa.

A técnica

Segundo Isadora Rezende, a técnica da drenagem linfática depende muito do profissional e da sua especialidade, mas basicamente é realizada em dois processos: a evacuação, que consiste em desobstruir os gânglios e as demais vias linfáticas, e a captação, que consiste em realizar de fato a drenagem. “Sempre importante lembrar que a drenagem é uma manobra leve, rítmica, lenta, sendo realizada com as mãos, não deixando hematomas”, ressalta a esteticista.

Nas gestantes, a drenagem exige muita atenção e cuidados específicos. “Não podemos massagear nas regiões de risco para o bebê como a barriga, a lombar e alguns pontos reflexos nos pés. Uma massagem em lugar errado pode provocar até um parto prematuro. A posição da gestante na maca também é importante: ela deve ficar de barriga para cima e de lado, levando sempre em consideração o conforto da paciente”, esclarece a especialista.

Isadora Rezende