O risco do abuso do álcool e o aumento do consumo durante a pandemia

Especialistas fazem alerta e recomendam cuidados para evitar o alcoolismo e exageros nocivos à saúde

 

Devido ao isolamento social necessário por conta do novo coronavírus (Covid-19), especialistas alertam sobre os riscos do consumo exagerado de bebidas alcoólicas e suas consequências para a sociedade.

Para Brena Souza, psicóloga da Pró-Saúde com atuação no Hospital Regional do Baixo Amazonas, em Santarém (PA), a pandemia limitou as pessoas de desenvolverem suas atividades cotidianas, tendo como consequência a ruptura de planos e até a paralisação de objetivos, e estão encontrando no álcool uma saída nociva para enfrentar esse momento.

“O isolamento é um fator expressivo para que as pessoas busquem no álcool uma válvula de escape, tornando-as dependentes de uma diversão que naquele momento é satisfatória, levando-as a consumir mais a bebida, já que precisam ficar protegidas estando em casa, diante das orientações de prevenção”, explica.

Ainda, de acordo com a psicóloga, o uso excessivo da bebida alcoólica pode trazer desequilíbrio mental e corporal, como impulsividade, intoxicação, problemas circulatórios, dentre outros. “O álcool em excesso pode provocar a baixa do sistema imunológico, deixando assim a pessoa que for contaminada mais suscetível ao coronavírus”, ressaltou Brena.

Manter a saúde mental durante o período de isolamento também é o alerta da psicóloga Diane Lemos, com atuação pela Pró-Saúde no Hospital Regional do Sudeste do Pará, em Marabá (PA). Segundo a profissional, é importante que neste momento os cuidados com a mente sejam observados, pois irá contribuir diretamente na prevenção de excessos e no consumo exagerado de álcool.

“Para termos uma boa saúde mental, é muito importante a convivência familiar. Deve-se buscar atividades em comum para todos, ter momentos de prazer, seja por meio de atividades físicas em casa, conversas com amigos por telefone ou chamadas de vídeo ou até na conquista de novos conhecimentos. Tudo isso pode ajudar a evitar o consumo exagerado de bebida alcoólica”, reitera.

Os Regionais de Marabá e Santarém são unidades de saúde públicas no Pará, gerenciadas pela Pró-Saúde, que prestam atendimento 100% gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS). As unidades estão entre os hospitais selecionados pelo Ministério da Saúde e Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa) no atendimento de casos graves da Covid-19.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 24 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.

Publicidade:
Anterior SBOC alerta sobre riscos no adiamento de exames preventivos durante a quarentena
Próxima Dia Mundial da Saúde Digestiva reabre debates sobre a importância dos cuidados com a alimentação