Pular para o conteúdo

Senac Barretos

Mau hálito vem do estômago? Entenda de uma vez por todas por que não

A pessoa com mau hálito pode não perceber e pode não saber realmente o que está acontecendo, gerando situações constrangedoras, que podem afetar negativamente as relações pessoais, as atividades profissionais e gerar problemas conjugais.

O principal mito relacionado a causas de halitose, é sem dúvidas, “o mau hálito vir do estômago”. Porém, estudos afirmam que a halitose estomacal é extremamente rara ou nunca vem do estômago. “Quase todas as causas de halitose são encontradas na boca do paciente!” comenta a cirurgiã-dentista e especialista em halitose Dra. Bruna Conde.

Quando alguém tem mau hálito ao falar ou respirar, fica ainda mais claro que o problema não está vindo do estômago, pois quando falamos e respiramos, o ar vem dos pulmões.

Além disso, entre o estômago e o esôfago existe um músculo em forma de anel, que impede a volta do conteúdo estomacal para a boca. O ar só vem do estômago quando temos uma eructação gástrica, conhecida como o famoso “arroto”. Nessa situação, o ar escapa do estômago para o esôfago, o qual, é normalmente fechado quando não estamos nos alimentando.

Ainda assim, o arroto tem um odor ácido, dura poucos segundos e difere do cheiro característico do mau hálito bucal, o qual é de enxofre, ou do odor causado por jejum ou hipoglicemia (hálito cetônico que pode ter cheiro de acetona ou maçã estragada).

O mesmo ocorre em casos de hérnia de hiato ou refluxo gastroesofágico. Nesse caso, o músculo em forma de anel não fecha adequadamente a passagem do esôfago para o estômago.

Quando o conteúdo do estômago, eventualmente, volta até a boca, seu odor também é ácido, assim como no arroto, muito diferente do cheiro característico do mau hálito, e dura poucos segundos, ao contrário ao odor da halitose, que pode persistir por períodos muito mais prolongados ou até mesmo ser constante.

Conforme a Dra. Bruna Conde a cavidade oral é responsável por 90% dos casos de halitose, o trato respiratório é responsável por 8%, o trato gastrointestinal e outras causas diversas são responsáveis por apenas 2%. Como a boca é a principal fonte de halitose, torna-se essencial uma investigação especializada da cavidade oral. Infelizmente, nem todo dentista dá atenção a boca por completo, não realizando avaliação precisa e necessária para detectar todas as possíveis causas da halitose.

Então, quais são as causas possíveis do mau hálito?

A Dra. Bruna Conde destaca que, no dorso da língua existem pequenas criptas que são os espaços entre as papilas e que proporcionam as condições ideais para que um grande número de bactérias se aloje facilmente. Restos de células descamadas do próprio epitélio da língua e restos de comida também se acumulam ali.

A halitose pode ser causada por placas bacterianas, má preservação dos dentes e restaurações dentárias, gengivite, má higienização bucal. Além disso, a fermentação de alimentos e detritos celulares por bactérias promove substâncias voláteis que cheiram mal, causando mau hálito. Essa situação é chamada de saburra lingual, popularmente conhecida como língua branca ou esbranquiçada e isso também acontece com alimentos que ficam retidos entre os dentes.

“Quando o profissional não avalia cada parte da cavidade oral, algumas informações importantes podem ser perdidas. Como, por exemplo, a saburra lingual e/ou pouca qualidade, ou quantidade salivar podem não ser avaliadas e são uma das principais causas do mau hálito crônico. Não hesite em buscar ajuda profissional e especializada no assunto, halitose é um problema que se não tratada pode ocasionar diversas complicações para a saúde geral, comportamental e relacionamentos.” finaliza a especialista em halitose Bruna Conde.

Mais Sobre Bruna Conde:

Dra. Bruna Conde – Dentista Antenada:

Cirurgiã Dentista.

CRO SP 102038

“Sou uma dentista antenada e busco estar ligada em tudo o que faz bem para a nossa saúde.”

Há mais de 10 anos de formada, mais de 7000 sorrisos realizados, Dra. Bruna Conde é especialista e em frequente atualização. Realiza pessoalmente todos os tratamentos listados em seu consultório através de protocolos baseados em evidência clínica e científica através do largo convívio social de pacientes, mestres renomados e profissionais da área da saúde que visam o tratamento multidisciplinar. Conhecida por ter uma postura humana, detalhista, visão do paciente como um todo, acolhedora com humor e risada única.